Carros usados ​​perto de mim

To precisando muito desabafa sobre isso, tô com puta medo de perder meu filho.

2020.11.30 02:29 anacardoso008 To precisando muito desabafa sobre isso, tô com puta medo de perder meu filho.

Minha vida sempre foi conturbada, comecei a fazer programa quando tinha 15 anos pra sobreviver já que minha mãe faleceu quando tinha apenas 13 anos, fui criada pela minha tia que nunca teve uma vida boa. Trabalhava como ambulante na rua vendendo cervejas e coisas do tipo na caixa de isopor. Posso dizer que amadureci bem cedo, aprendi com a vida e passei por diversas situações que me modaram hoje. Nunca achei divertido ou prazeroso a prostituição, sempre sentir repulsa por ser um objeto, um fetiche de homens, estar sendo 100% submissa pra ter que viver.
Fiz muito programa com intuito de mudar de vida, no início antes de literalmente começar meu objetivo era ganhar dinheiro e parar só que quando cheguei lá meus planos "mudaram": Foi tudo um caos, trabalhava pra pagar homens que me atraia, trabalhava pra usar drogas, pra satisfazer minhas luxúrias. fiquei nessa até fazer meus 20 anos, até que conheci uma menina de 23 que tinha acabado de ter um filho( na época ele tinha 3 meses) era muito comum as meninas ter filhos muito mesmo, acho que 78% tem filhos. No bordel que frequentava uma vez só via crianças no meio da sala.
Fiquei um pouco próxima dessa menina ela me divertia bastante, ela era bem doidinha só que era extremamente viciada em crack, era um "disperdicio." Tinha pele clara como papel, cabelo liso castanho, olhos escuros: uma Barbie.
Como disse ela era bem doida deixou a criança lá em casa cmg e falou que voltava no dia seguinte só que a mesma só voltou 14 dias dps, com a cara mais sínica do mundo. Foi divertido tomar conta do bebê só que dps disso comecei a evitar ficar perto dela e da criança pra evitar que ela sumisse dnv ( tbm tava tentando mudar de vc)
Conheci um cara que ficou cmg por um tempinho ele era bem atencioso E RICO. ERa dono de uma loja que vendia carros usados. Uma hora ou outra ele iria enjoar de mim, então sabendo que ele tinha dinheiro como n sou trouxa comecei a tirar tudo que podia dele, nisso fiz ele financiar boa parte do meu AP ( já conhecia ele antes da doida.) Fiz ele mobilhar minha casa até que ele se cansou e vazou como já previsto. Tinha uma condição pra ele fazer isso tudo por mim: tinha que parar me drogar, fiz isso e graças a deus foi uma das minhas melhores escolhas.
Quando ele se foi continue fazendo vida pra terminar de pagar minha casa, fiz vida por mais um tempo até que decidi da o basta niss. Me afastando das más amizades, dos clientes, desse local podre, do clima, do meu passado. Arrumei um emprego como call center e com minhas economias abri um mercado. Me bati com Bianca na rua junto com a criança que já estava chegando nos seus 8 meses de idade e ela tava pior do que nunca: na rua seca e desnutrida feita cão com o bebê no colo pedindo esmola. Aquilo mexeu comigo então em nome dos velhos tempos levei ela pra casa
MEU BIG ERRO.
dois dias dps ela roubou meu iPhone, um notebook, o aparelho de dvd e um conjunto de colher da Tramontina. Essa nem foi a pior parte, a pior parte foi ela ter largado a criança sozinha em casa ( LARGADO CMG) eu fiquei desesperada sem saber oq fazer fui até o antigo bordel, fui atrás da família dela mas n achava nmg, nmg mesmo.
Eu literalmente n sabia oq fazer só ficava lá deixandoos dias passar e me consumindo tentando entender oq havia acontecido. Nisso se passou 3 meses e eu já tava criando apego com o Henrique apesar de estar sempre pensando na mesma coisa. Não tive notícias dela nos próximos 9 meses. Comecei a criar ele como se fosse meu, realmente ele era meu. Chamava de mamãe, levava pra creche, dava tudo, absolutamente tudo. Até que ela aparece na porta da minha casa exatamente acabada da mesma forma que estava perguntando com sinismo como eu tava, eu só comecei chorar de raiva e entrei sem saber oq ela falar, quando sair ela ainda estáva la. Cheguei largando o verbo perguntando oq tinha rolado mas ela n respondia minhas perguntas só falava coisa com com. ela ficou rindo perguntando do bebê, eu disse que ele estava na creche e que tava bem. Nisso ela me pediu dinheiro (500 reais) dei a ela e n não vi ela por mais 3 anos.
Eu sempre me sentir muito sozinha por ter perdido meus minha mãe muito cedo, por n ter tido amor de minha tia, por ser sozinha no mundo. Eu sou uma mulher trans e sempre ficava correndo atrás de amor de homem, eu queria muito ser amada de verdade por um homem.. e hoje eu sou!! Tenho meu homenzinho dentro de casa. Ele mudou minha vida me fez querer ser uma pessoa melhor, motivou, me fez ter amor próprio e aceitar que não precisava de homem nenhum apesar de ter um marido que mora cmg a 2 anos que tbm assumiu ele como filho.
Dps de 3 anos ela aparece aparentemente saudável e estável financeiramente perguntando sobre a criança, eu tive um choque, sentir um ódio tão grande que quase soquei a cara dessa puta desgraçada. Ela tá me forçando a da ele pra ela. Pediu pra ver ele e eu permitir e a mesma teve a ousadia de se apresentar como a mãe dele o Henrique estranhou e riu ( coisa de criança inocente mesmo) e veio falando que eu era a mãe dele. Um mês dps eu recebo ela dnv falando que quer pq quer o filho dela, entrou aqui na raça invadindo o quarto dele e pegando ele no colo saindo pela porta, eu fiquei tão s reação que palarizei com aquela cena. O triste é que se o Eduardo não aparece na ora eu e barra ela com um puta tapa na cara eu nem ia csg fazer nada, provavelmente seria a última vez que veria meu filho. Dps disso recebo uma solicitação no face com ela falando que vai até na justiça se for necessário.
eu tô surtando aqui, tô com tanto medo de perder meu bebê e nunca mais consegui ver aqueles olhos azuis, n passar a mão nos seus cachos. Nem tô conseguindo dormir direito pensando nisso.
Tô quase vendendo tudo e me mudando pra outro estado com ele sem ngm saber, acho que é inevitável eu perder ele se n fugir.
submitted by anacardoso008 to desabafos [link] [comments]


2020.11.06 14:41 HuelandThrowaway Análise da eleição municipal de São José dos Campos, São Paulo

O post abaixo foi escrito por mim. Apesar de conter informações que podem revelar a minha identidade, só umas 10 pessoas poderiam saber quem escreveu com as informações dadas. Ele tem como objetivo informar as pessoas da cidade, então se conhecer alguém de SJC por favor compartilhe com essa pessoa. O meu posicionamento político vai ficar bem claro mais ao final do texto, mas sem spoilers.

Resumão de candidatos à prefeitura de São José dos Campos
By Eu.

Nessa eleição, temos 11 candidatos a prefeito. Como ninguém tem tempo para ver o que cada um propõe, estou fazendo esse resumo a quem quiser ler.
A análise a seguir foi feita por mim, baseada em conhecimentos prévios e nas entrevistas de cada candidato encontradas aqui: https://www.meon.com.bnoticias/rmvale/eleicoes-2020-confira-as-entrevistas-em-video-com-os-candidatos-a-prefeitura-de-sao-jose-dos-campos

Coronel Nikoluk, Partido Liberal (22)
Parece uma candidata decente. Direita tradicional focada em família, valores, gerar emprego e segurança pública.
Ela promete foco em saúde preventiva como um jeito de aumentar a eficiência da saúde pública.

Dr. Cury, Partido Socialista Brasileiro (40)
Ele promete zerar a fila de atendimento dos hospitais, mas não fala em como. A impressão que dá é que ele acha que "é só cobrar mais que acontece", mas também fala em dar vouchers a quem não for atendido em até 14 dias. Caralho mano, eu vivi pra ver partido socialista querer privatizar serviço público. De saúde ainda por cima. Hora de reiniciar a simulação porque já começou a bugar.
Na educação ele quer escola integral para todo mundo, para ensinar "tudo", seja lá o que isso for. Me cheira a mais gastos para pouco ganho, e a certeza de doutrinação. Talvez não no mandato do Cury, até porque não quero acusar ninguém, mas eventualmente será usado pra isso. Eu não confio no prefeito de 2024, até porque não sei quem vai ser.

Felício Ramuth, PSDB (45)
O atual prefeito.
Proposta de saúde: jogar dinheiro no problema. A primeira coisa de que ele se gaba é ter aumentado a verba, ao invés de falar em melhoria de resultados. Isso me faz pensar que não houve melhoria, e que o dinheiro foi jogado fora. Afinal, se houvesse melhoria é disso que ele estaria se gabando.
A ideia dele de gerar emprego também é torrar dinheiro. Dar dinheiro pra empresas que contratarem pessoas, e fazer a prefeitura contratar jovens de 16-19 anos desempregados.
Não é à toa que esse foi o prefeito que triplicou a dívida do município em um mandato só.
Também é o cara que criou a ponte mais inútil da história. Toda vez que eu passo perto tem entre zero e um carro na ponte, enquanto as outras faixas continuam tendo o trânsito de sempre. Foi um ano de construção de ponte, de faixas sendo interditadas para estacionar concreto, de semáforo mudando de lugar, tudo pra uma ponte que até o Felício está com vergonha de ter feito e nem mostra no horário eleitoral dele. E o mais importante: a ponte foi feita por uma empresa que está proibida de fazer obras para o governo federal devido a envolvimento em esquemas de corrupção.

João Bosco, Partido Comunista do Brasil (65)
Outro que acha que emprego = jogar o seu dinheiro na mão de todo mundo. Além disso ele quer atrair grandes empresas, o oposto do que os outros candidatos tem proposto de gerar emprego através de micro e pequenas empresas.

Luiz Carlos, Partido Trabalhista Cristão (36)
Fala em gastar "somente em obras necessárias" e define saúde e educação como prioridades.
Gostei quando ele falou em terminar obras paradas "porque a obra parada é a obra mais cara que existe". Falou certo, e diga-se de passagem que essa também tem sido uma das bandeiras do Bolsonaro a nível federal. Além disso ele quer que todas as obras tenham um seguro de término de obra, algo que até onde eu sei já é obrigatório em vários países desenvolvidos.
Ele quer a construção civil como carro-chefe da criação de empregos. Por um lado parece um bom plano já que esse é um setor que gera muitos empregos. Por outro, lembro de uma vez que eu conversei com um empresário do ramo e ele disse que "quando a economia vai mal a construção é o primeiro que sente e o último que se recupera", já que é preciso muito dinheiro e uma boa perspectiva de futuro para se construir algo. Nada pior que gastar centenas de milhares, ou milhões, em um prédio e ele ficar vazio pagando IPTU.
O candidato Luiz Carlos também quer investimentos em rede de esgoto e mobilidade urbana. Esgoto é uma questão clássica que ninguém quer investir porque não dá visibilidade ou voto. Mobilidade urbana é um chavão conhecido, mas eu gostei da proposta do candidato de fazer pesquisas para ver onde há mais demanda (algo que não é feito atualmente) para adequar a oferta de transporte público. Típico investimento barato que faz resultados perceptíveis.
No geral parece um candidato bom. Não ter nenhuma proposta absurda já é um diferencial, e ideias focadas em custo-eficiência são sempre bem vindas.

Marina Sassi, PSOL (50)
Inspirada pela morte da Marielle e pelo #Elenão, a Marina veio para acabar com as grandes empresas que controlam essa cidade. Parece sátira, mas não é.
Ela quer abrir novos concursos para 300 médicos e enfermeiros, sem explicar por que eles são necessários.
Também quer mais concurso para professores, para que os professores que são grupos de risco de covid não precisem dar aulas. Além disso ela quer diminuir o número de alunos por sala. Como? Contratando ainda mais professores. Antes tu tinha um professor com 40 alunos, agora vai ter o professor afastado (ainda recebendo é claro) e dois novos pras turmas de 20 alunos. Promoção da educação: Pague 3 leve 1!
"A iniciativa privada não tem como responder à demanda da maioria da população (por empregos)". Mano. Pensa numa cidade que todo mundo fica pendurado nas tetas do governo. Esse imposto vai vir de onde?
Além disso ela quer uma "renda básica solidária" com "só 1% do orçamento", ou seja, uns 30 milhões por ano. Para "acabar com a miséria de 17 mil pessoas". Ou seja, 147 reais por mês por miserável. Sem juízo de valor aqui, estou só fazendo a conta. Deixo a cada um que decida se isso é muito ou pouco.

Professor Agliberto, NOVO (30)
O criador do Parque Tecnológico e do Banco do Empreendedor, o Agliberto pretende cortar cargos de confiança, economizando cerca de 50 milhões por ano. Só essa medida, em só um mandato, corta uns 20-25% da dívida do município.
Além disso, ele quer criar o "cartão saúde" e o "cartão educação". Basicamente ao invés de ir pra rede pública tu se trata ou estuda na rede privada e joga a conta pra prefeitura. Também conhecido como terceirização, especialização ou programa de voucher, é uma ideia liberal antiga que sempre deu certo onde foi utilizada. A prefeitura vai gastar menos pra dar um atendimento melhor.

Raquel de Paula, Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (16)
A vice-presidente do sindicato dos correios.
"Chega da burguesia decidir o rumo da vida daqueles que constróem a riqueza"
A candidata está triste que existe saúde privada, e ela quer estatizar a saúde e o transporte público. Não, não é sátira. Ela também quer acabar com a terceirização no serviço público.
Caralho. É a única candidata até agora que não quer um papel da iniciativa privada, por mais secundário que seja, na retomada dos empregos. Vou dar uma dica aqui: TODOS os empregos, 100% deles, vem da iniciativa privada. Ou por serem empregos privados, ou por serem funcionários públicos mantidos por impostos da iniciativa privada. Quem não entende isso não merece nem o voto da própria mãe.

Renata Paiva, Partido Social Democrata (55)
Outra candidata que promete zerar a fila do atendimento na saúde, porém com a estratégia de contratar mais médicos e fazer mutirões. Ela quer um hospital para velhos, um para mulheres, um para jovens, um para deficientes, etc. E além disso quer especialistas mais próximos da população, ou seja, tacar um oncologista em cada bairro mesmo se não houver demanda. Haja vontade de contratar um monte de médico pra não fazer nada.
A proposta boa da candidata é focar no ensino técnico acoplado ao ensino médio, pois realmente faltam cursos técnicos no Brasil

Senna, PSL (17)
Propostas: reduzir gastos, reduzir cargos comissionados e secretarias, criar colégios públicos militares, o "médico na praça" (projeto para mandar carretas com médicos e equipamentos a locais públicos para desafogar os hospitais), auditar todos os contratos da saúde, e abrir o mercado de transporte para a concorrência.
Todas são propostas boas. Só tem um probleminha: é o Senna.
Senta que lá vem a história. Estava lá eu, membro fundador do Vem Pra Rua de São José dos Campos, em uma manifestação do Vem Pra Rua, quando vejo um homem e uma mulher com cara de políticos gravando uma live no nosso evento. Até aí nada de errado, todos são bem vindos. Por pura curiosidade chamei o homem de lado para perguntar quem eram, e ele ficou agressivo. Começou com aquela "por quê, a gente não pode? É ou não é pra vir pra rua?", colocando palavras na minha boca para tentar arrumar briga. Depois de desescalar a situação, eu perguntei para outra fundadora do VPR quem era "aquela mulher com o segurança agressivo", e ela riu. "Aquele 'segurança' lá é o Senna, ele só gruda na Letícia Aguiar porque quer ser prefeito. Ignora e só não deixa eles subirem no carro de som."
Na semana seguinte houve uma manifestação, se não me engano do Movimento Conservador, e lá estava uma faixa "Chupa Senna", bem alto no carro de som. Perguntei para um dos organizadores o motivo da faixa, e imaginem a minha (falta de) surpresa quando falaram que o Senna havia se juntado abertamente à ala antiBolsonaro do PSL.
E agora o ser tenta juntar a sua imagem à do Bolsonaro para virar prefeito.
As propostas do candidato são boas? São. Mas o candidato em si é apenas um aproveitador, que se junta a quem estiver por cima conforme a conveniência. O tipo de pessoa que puxa briga com aliados naturais só para chamar atenção não serve para a carreira política.
Se o Senna implementar qualquer proposta, se é que vai tentar, será mal feita para se adequar a demandas da oposição, ou largada pela metade quando não for mais conveniente. Senna prefeito trará nada além de uma má fama a ideias boas, e aí ficaremos décadas sem elas.
Eu, que em 2013 já gritava "Bolsonaro presidente 2014", e fiz parte de três movimentos liberais antes
de vir para o Vem Pra Rua, voto no PT antes de votar no Senna.

Wagner Balieiro, PT (13)
Promete: retomar o crescimento, até aí normal. Reduzir a tarifa do tranporte público, o que é estranho já que o último prefeito do PT a aumentou na primeira semana. E criar uma "moeda comunitária", ou seja, sair dando dinheiro de graça.
Ah, e a parte de reduzir tarifa de transporte? Ele que fazer isso na base do subsídio. Ou seja, você não vai pagar 5 reais de passagem. Vai pagar 3 de passagem e 2 de imposto. Muito melhor né?

Ranking final:
1º lugar Agliberto (30). O melhor candidato, de longe. Agliberto traz ideias novas por aqui porém que já funcionam ao redor do mundo, vai cortar gastos desnecessários, e tem respeito pelo seu dinheiro.
2º lugar Coronel Nikoluk (22). Candidata conservadora clássica, com foco nas funções essenciais do Estado e sem querer inventar moda.
3º lugar Luiz Carlos (36). Outra opção sólida, que fala sem enrolar e quer fazer o que precisa ser feito, nada mais e nada menos.
4º lugar Dr. Cury (40). Vivi pra ver socialista defender privatização da saúde. Só isso. Mas a escola integral ele pode enfiar no cu.
5º lugar Voto Nulo (69). Todo mundo sabe que o voto nulo é infinitamente superior ao voto em branco, mesmo depois que a urna eletrônica nos privou dos melhores candidatos do partido nulo.
6º lugar Voto Em Branco. É tipo o voto nulo, mas com menos criatividade e mais racismo.
7º lugar João Bosco (65). Um torrador de dinheiro sem nenhum diferencial notável.
8º lugar Renata Paiva (55). A candidata de quem acha que a prefeitura tem dinheiro infinito e só não resolve os problemas porque não quer.
9º lugar Felício Ramuth (45). Se ele não tivesse triplicado a dívida do município estaria bem mais alto na lista, mas tendo visto um governo dele ninguém quer um segundo.
10º lugar Marina Sassi (50). Típico caso de pessoa que quer acabar com a pobreza sem criar riqueza. A história mostra que isso não dá certo, muito menos para os pobres que ela afirma defender.
11º lugar Wagner Balieiro (13). Petista fazendo petisse, vai jogar o custo das coisas de você pra você mesmo e tentar se pintar de bonzinho durante o processo. E todo mundo se lembra do último prefeito do PT, aquele que foi impeachado.
12º lugar Raquel de Paula (16). Acha que a iniciativa privada não serve pra nada, todo mundo é incompetente menos a prefeita que se acha deusa.
13º lugar Meteoro Esmagador Destruindo a Terra. Por que às vezes a destruição mundial é o menor de dois males.
14º lugar Senna (17). O 14º colocado entre os 11 candidatos, merecidamente. Se um esquerdista faz merda a culpa é da esquerda, e se um oportunista fantasiado de direita liberal fizer merda vai sobrar pro resto da direita e dos liberais.

Quanto a vereadores, honestamente não importa muito. Tem todo um método do cálculo eleitoral, e no fim das contas a única coisa que importa é a legenda na qual você votou. Então mete o número do partido que você quer, ou escolhe um candidato que você gosta um pouco mais que os outros.
Pessoalmente vou votar no Bruno Wallace (30111), que se Deus quiser vai ser o vereador mais novo da história de SJC. O garoto tem 18 anos, faz parte do NOVO e do Vem Pra Rua, e o mais importante: tem as ideias certas de como levar a cidade pra frente.
submitted by HuelandThrowaway to brasilivre [link] [comments]


2020.10.17 05:38 POL4RGTS • 𝗨𝗺 𝗱𝗼𝘀 𝗰𝗮𝘀𝗼𝘀 𝗱𝗲 𝗱𝗲𝘀𝗮𝗽𝗮𝗿𝗲𝗰𝗶𝗺𝗲𝗻𝘁𝗼 𝗺𝗮𝗶𝘀 𝗺𝗶𝘀𝘁𝗲𝗿𝗶𝗼𝘀𝗼𝘀 𝗱𝗲 𝗣𝗼𝗿𝘁𝘂𝗴𝗮𝗹. 𝗥𝘂𝗶 𝗣𝗲𝗱𝗿𝗼. •

No dia 4 de março de 1998, em Lousada, Portugal, Rui Pedro Teixeira Mendonça pegou a sua bicicleta após o almoço, por volta das 14 horas da tarde, e apareceu no escritório de sua mãe que ficava perto de sua casa. Ele foi até ela para perguntar se podia sair com seu amigo, Afonso Dias, um caminhoneiro de 22 anos. Sua mãe negou o pedido e disse para ele brincar no campo que era um terreno baldio que era usado para pista de cavalos, atrás de seu escritório.
Por volta das 17:09 da tarde, o tutor de Rui Pedro ligou para os pais porque a criança não compareceu à aula. Eles rapidamente começaram a procurar Rui, porque era estranho já que ele nunca havia faltado.
Após não acharem Rui Pedro pelo bairro, eles entraram em desespero e logo um grupo de busca foi formado. Um vizinho encontrou a bicicleta de Rui escondida atrás de arbustos no mesmo terreno baldio onde ele estava brincando mais cedo.
Como Rui Pedro havia dito à mãe que ele estava planejando se encontrar com seu amigo Afonso, a polícia então o questionou, perguntaram se ele havia visto Rui e ele disse apenas que não, de uma maneira calma. Mais tarde, algumas pessoas disseram que havia visto Rui Pedro conversando com Afonso no terreno baldio dentro de um carro Fiat Uno Preto.
O caro que Afonso estava era de seu irmão. Segundo ele, havia emprestado o carro para Afonso para ele ir ao hospital, mas mais tarde foi confirmado que ele nunca foi até o hospital pois passou o dia inteiro dirigindo pela cidade.
Afonso Dias estava em alterado estado emocional enquanto era interrogado e simplesmente respondeu que não sabia o paradeiro do garoto, mas que a polícia "deveria fechar as fronteiras, pois provavelmente ele estaria muito distante a caminho de outro país”. Alcina Dias disse que Rui estava extremamente nervoso e chorando quando saiu do veículo, dizendo que Afonso o havia forçado a encontrá-la.
Alcina acrescentou que ela tentou acalmar o garoto e perguntou se sua mãe sabia que ele estava lá, o garoto respondeu que não. Rui, em seguida, supostamente partiu no veículo de Afonso Dias. Ela tentou fazer seu depoimento, mas nunca conseguiu identificar Afonso pelo nome.
O padrinho de Rui lembra de ter recebido uma ligação específica de uma criança com a voz muito parecida com a de Rui chorando do outro lado do telefone, ele chamava desesperadamente pela mãe, mas a ligação caiu antes que ele pudesse falar algo.
Em abril de 1998, o comentarista político Nuno Rogério viajou para a Disneyland Paris com sua família. Durante a viagem, a família Rogério tirou várias fotografias enquanto passeava; uma dessas fotos mostra um garoto sentado atrás da família que se parecia muito com Rui Pedro.
Sentado ao lado do garoto está um homem de 40 anos vestindo uma jaqueta vermelha. A polícia portuguesa confiscou as fotografias para uma análise mais aprofundada, mas nenhum progresso foi feito em relação a esse avistamento.
Em 1 de setembro de 1998, policiais prenderam uma operação internacional de pornografia infantil chamada The Wonderland Club. A polícia confiscou mais de 750.000 imagens e vídeos, representando 1.263 crianças diferentes sofrendo abusos sexuais. 16 crianças foram identificadas no vídeo por parentes. Dentre essas fotos, supostamente estava Rui Pedro porém a polícia suspeitou que ele tivesse sido assassinado por seus sequestradores depois de ter sido abusado diante das câmeras por outros membros de um círculo de pedófilos.
Segundo algumas fontes, a mãe de Rui e a Interpol chegaram a falar que era realmente ele nos vídeos e nas fotos, mas a polícia portuguesa descartou essa evidência. Segundo algumas fontes, havia um pedófilo do The Wonderland Club que estava morando em Portugal naquela época.
Na Suíça, foi ouvido um garoto dizer em um restaurante em 2007: "Eu sou raptado de Famalicão e a mim ninguém procura". A polícia não informou, dizendo que a pista não era consistente. Também foi apontado que poderia ser Rui Pereira, desaparecido dois dias antes de Rui Pedro.
No primeiro dia do desaparecimento de Rui Pedro, diversos de seus amigos relataram na delegacia que Afonso estava obcecado com Rui. Ele sabia tudo sobre a vida do garoto, onde ele estava, com quem estava e o que faria no dia seguinte.
No primeiro dia do desaparecimento de Rui Pedro, diversos de seus amigos relataram na delegacia que Afonso estava obcecado com Rui. Ele sabia tudo sobre a vida do garoto, onde ele estava, com quem estava e o que faria no dia seguinte.
Mas a polícia acabou descartando, achando que eles estavam mentindo. Somente em 2011 essas crianças foram tidas como testemunhas confiáveis. No mesmo ano, Alcina Dias finalmente o identificou em um tribunal.
Um ano antes do desaparecimento de Rui Pedro, sua irmã chegou a relatar que Afonso tirou diversas foto dela e de Rui, algo que ele nunca tinha feito antes.
Em 3 de outubro de 2014, Afonso Dias foi condenado a três anos de prisão pelo sequestro do menor durante a tarde do seu desaparecimento, e não para o próprio desaparecimento. Em 18 de março de 2015, foi levado para a prisão por seu advogado depois do mandado de detenção.
Ele cumpriu uma sentença de três anos, que foi reduzida para dois anos por bom comportamento. Em Março de 2017, Afonso saiu da prisão em liberdade condicional após ter cumprido dois terços da pena.
“As pessoas já perceberam que nada tive a ver com o desaparecimento. Se eu fosse culpado, não conseguia viver em Lousada e ninguém gostaria de mim”, constata.
“Fui uma vítima neste processo. Aliás, eu e o Rui Pedro fomos as duas vítimas”, acrescenta, reafirmando a sua inocência e salientando que foi alvo de grande injustiça.
Em 28 de janeiro de 2020, Rui Pedro celebrou o seu 33º aniversário e a mãe, mais uma vez, recordou-o com saudade. Em uma carta arrepiante e cheia de emoção, Filomena Teixeira recorda o filho e deixa-lhe palavras de amor.
Uma carta dura, publicada no jornal ‘Terras do Vale do Sousa’, na qual a mãe manifestou o seu amor eterno por Rui: “E agora já com 33 anos, que aspeto tens? Como estás? Parabéns meu filho! Onde quer que estejas, recebe este abraço apertadinho tão nosso… e muitos beijinhos”.
Filomena Teixeira, mãe de Rui, relatou que o seu pai gastou todo o dinheiro que podia à procura do neto, para aliviar a dor da família, e que era chamada para ver vídeos de pedofilia. “Vi coisas horríveis. A partir das 4 horas da manhã é que se consegue ver os pedófilos atuar.
”Mostravam-me crianças a serem violadas e eles a terem prazer com o choro. Masturbavam-se à custa disso. Estava a ver as imagens, para ver se algum deles era o meu, e cheguei a um ponto em que não conseguia mais".
Rui Pedro continua desaparecido até nos dias de hoje, o caso criminal marcante, nunca teve uma explicação confirmada.
submitted by POL4RGTS to historias_de_terroor [link] [comments]


2020.10.14 12:19 DonaBruxa_Deyse Sobrenatural-Verídico

Preciso dividir isso com vocês! Relato de uma consulente que me procurou desesperada por ajuda espiritual. E irmãos de fé, me ajudem porque nunca lidei com isso não!
Eu ouvi todo o relato. Quanto mais ela contava, mais certeza eu tinha de que se tratava de SETEALEM!
Ela relatou que em maio, devido a pandemia e quarentena, sua família resolveu que seria melhor todos ficarem juntos no sítio dos pais dela, em Sorocaba. Disse que desde o momento que fazia a mala deles, uma sensação de que algo daria errado, pesava. Foi na gaveta do seu filho, que encontrou uma camiseta e um shorts que nunca, jamais vira antes. As roupas estavam sujas, eram velhas, encardidas e cheiravam mal. Nunca teve diarista em casa. Como poderiam aquelas roupas estarem ali? Perguntou pro pessoal e ninguém prestou atenção. Ninguém nunca presta. Naquele dia não estava a fim de começar a gritar tão cedo. Mas estavam todos estressados com os preparativos e ela sozinha pra fazer tudo, deixou pra lá! Enfiou as roupas numa sacola de mercado e deixou no chão, do lado da máquina de lavar na área de serviço. Ela, marido, a filha de 18 anos e seu filho de 5, saíram de São Paulo e seguiram pro interior. Durante a viagem, pra chegar no sítio, passam por uma estrada de terra. Seu filho de 5 anos disse algo que naquele momento não fez sentido algum: - Nem acredito, mãe, que estamos perto da casa do meu melhor amigo que ainda vou conhecer! Eles não deram atenção alguma pro menino. Minutos depois, ouviram um barulho como se tivessem passado por cima de algo na estrada e um dos pneus explodiu. O marido dela controlou o volante e estacionaram. Ele desceu e confirmou que o pneu tinha estourado. Ela pegou o celular pra avisar seus pais sobre o acontecido e que por isso atrasariam. Notou que não tinha sinal de rede em nenhum dos celulares. Não tinha no dela, não tinha no do marido, nem no da filha! Marido trocava o pneu e xingava porque ele nem queria ficar com a família dela! Nisso ela se virou pra trás porque percebeu que o menino estava acenando pro nada todo feliz! Sua filha começou a implicar com o irmão e disse: - Olha mãe, moleque doido! Começou já com as graças. Nisso o menino responde: - É o meu amigo! O amigo que vou conhecer. Olha mãe! Olhaaaa lá! Ela estava cansada, com fome, vontade de fazer xixi, sede e aquilo deixou ela mais puta ainda e nem se deu ao trabalho de responder os filhos. Pneu trocado, seguiram viagem na força do ódio. Uns quilômetros a frente, passaram por um posto de conveniência. Nunca vira esse posto antes. Não era a primeira vez que fazia aquele caminho. O sítio era da família desde que os avós dela casaram. Sua mãe nasceu ali. Ela foi criada ali e fez aquele caminho milhares de vezes desde bebê! Era um posto velho. Tão depredado que parecia estar desativado. Desativado se não fossem uns carros antigos também caindo aos pedaços estacionados em frente. Quem coleciona carro caindo aos pedaços?!?!? Comentou com o marido: - Meu amor, e esse posto que nunca vi na vida! Você viu?! O marido já exausto, responde: - Não prestei atenção! Mas se não viu antes é porque você é cega. Nem olha com essa cara porque você responde pra mim desse jeitinho sempre! Ela respirou fundo pra não começar uma briga ali... faltava tão pouco...perguntaria pro pai dela quando chegasse lá! E foi a primeira coisa que perguntou pro pai depois de abraçá-lo. O pai dela achou engraçado e respondeu que depois di galpão da firma tinha mais nada até chegar no sítio não. Tinha sim! Tinha porque ela viu! Mas também resolveu deixar pra lá esse assunto. A primeira semana foi uma maravilha! No final de semana seguinte, a irmã dela chegou com a família. A avó cozinha umas delícias. Os homens faziam churrasco e tomavam cerveja à vontade. O marido que não queria vir era o que mais aproveitada! A criançada brincava, pulava na piscina, corria livre, dormia e acordava tarde. Mas ela notava o filho dela meio aéreo, mais calado e não estava interagindo com os primos. Algumas vezes teve a impressão de ouvi-lo conversando/ cochichando com alguém mas quando se aproximava, ele se calava. Num sábado, resolveram fazer lasanha, mas faltava queijo, presunto, carne moída pro molho e extrato de tomate. Alguém teria que ir no mercado e pela primeira vez na vida, a filha dela se dispôs a buscar. A menina era habilitada há meses, dirigia por São Paulo, ia e voltava pra faculdade sozinha com o carro da minha cliente. E que perigo teria naquela estrada de terra, pouco ou nenhum movimento e ela iria até o supermercado mais próximo. O filho dela e os sobrinhos quiseram ir também e providenciaram suas máscaras e correram pro carro. Entregou uma nota de 100 reais pra sua filha fazer as compras. Ela me contou chorando que sua consciência pesa por ter pensado e falado pra irmã: - Graças a Deus, pelo menos por uma hora, teremos paz sem essas crianças gritando e correndo! A gente merece um pouco de silêncio sem filho gritando por mãe. A irmã dela riu e concordou.
Segundo ela, olhou no relógio na parede da cozinha, e faltava uns minutos pro meio dia.
O desespero estava pra começar!
Tinha passado uma hora desde a ida e nada dos sobrinhos e dos filhos voltarem. Resolveu ligar pro celular da filha e caia direto na caixa postal! Ligou dezenas de outras vezes e nada. Gritou o marido que estava na churrasqueira. Ele, o cunhado e o pai dela estavam bebendo desde às 8 da manhã. Quando ela relatou sua preocupação, eles não levaram a sério. Segundo os homens, as crianças logo estariam de volta...e foram beber mais. O coração dela apertou e lembrou do posto que vira na estrada, do filho acenando pro nada... não fazia sentindo, mas só pensava nisso. Tentou ligar mais vezes e como nada de atenderem, ela e a irmã pegaram outro carro e foram atrás dos filhos. De longe viram o carro que a filha dirigia encostado na estrada. Ela sentiu alívio por alguns segundos porque quando se aproximaram, o carro estava vazio. A irmã dela até aquele minuto parecia estar muito preocupada não. Porém, desceu do carro chorando. O carro estava parado sentido cidade ou seja, eles nem chegaram ao supermercado. Não tinha sinal deles! Sumiram! O celular não tinha rede, sem serviço e não tinha como pedir socorro ou ligar pra família. As pernas dela tremeram e caiu ajoelhada na terra rezando, pedindo a Deus por ajuda. Nessa hora, ela só lembrava que tinha sido ali que vira o posto de conveniência. Meio ao choro e grito contou pra irmã que vira o tal posto no caminho pro sítio. A irmã dela sem entender já gritou que nunca teve posto ali merda nenhuma. Minha cliente resolveu que iria encontrar o posto porque tinha merda de posto sim! O carro era da irmã dela que respondeu no gritou que não sairia de perto do carro, caso os filhos voltassem. Alguém tinha que avisar a família que estacavam em casa sem saber de nada! Entre gritos e mais choro, resolveram que a irmã voltaria pra avisar os outros e do sítio, ligaria pra polícia. Minha cliente esperaria no carro. Lógico que não conseguiu esperar e decidiu que procuraria por eles. Saiu com o carro que a filha dirigia. Dirigiu até o galpão da firma que tinha na estrada! Nada do posto. Fez o retorno, foi até o lugar que encontraram o carro abandonado e nada. Ela me contou soluçando que não era possível aquilo estar acontecendo. Desespero tinha atingido nível máximo! A irmã não voltava e a hora estava passando... e se ficasse noite?!?!? O que teria acontecido? Assalto? Sequestro? Nesse desespero fez o trecho até a firma, ida e volta, umas 5 vezes até cruzar com o carro da irmã. Vieram o marido, seu pai, cunhado e irmã. A avó ficou em casa, caso a polícia ou as crianças ligassem. Os homens bebados, ela e irmã histéricas! Ninguém se entendia. Depois de muita discussão quando tinham chegado à conclusão que o melhor era ir até a delegacia fazer um boletim, chega uma viatura com dois policiais. Ela tomou a frente e contou o ocorrido. Falou sobre ter visto por ali um posto de conveniência. Nessa hora os dois policiais se entreolharam. O marido dela emendou que ela era doida e que outra vez estava falando desse maldito posto. Um dos policiais, muito calmo contou que apesar de não existir nenhum posto naquele trecho, não era a primeira pessoa a relatar ter visto um. Sem contar muitos detalhes, falou que também não era a primeira, nem segunda vez que pessoas se perdiam e desapareciam naquela estrada! Os polícias pediram para que todos seguissem até a delegacia. Minha cliente e o marido, foram no carro encontrado na estrada e os outros, no carro da irmã. Na delegacia, um boletim de ocorrência foi feito. Mas todos os policiais ao ouvirem o relato, se entreolhavam de modo muito estranho. Só minha cliente notou. A polícia deveria esperar 24 horas após o desaparecimento pra iniciar as buscas! Um daqueles dois policiais que atenderam a ocorrência na estrada, disse baixinho pra minha cliente ficar calma que as crianças apareceriam. Porque todos tinham voltado de lá! Ainda na delegacia, ligavam de minuto a minuto pro sítio com esperança de receber boas notícias. Saíram da delegacia, por volta das 23 horas, ligaram mais uma vez pro sítio no caminho de volta. Nada! Ela e o marido não trocaram uma palavra...ambos choravam! Porém, ao estacionar o carro, ouviram as vozes das crianças e da avó. Ela sentiu um alívio e entrou na casa, agradecendo a Deus. Quando correu pra abraçar os filhos, paralisou. Impossível! Era impossível seu filho estar vestindo o shorts e a camiseta que ela tinha tirado da gaveta e deixado dentro de uma sacola deixada no chão da lavanderia, na sua casa em São Paulo! NÃO ERA POSSÍVEL!
Relato das crianças e da filha:
A filha contou que enquanto dirigia pro supermercado, viu o posto de conveniência, seu irmão, o filho da minha cliente de 5 anos, ao ver o tal lugar pediu pra parar ali! Ele pediu tanto, apelou usando “ por favorzinho” que convenceu a irmã a parar pra comprar tudo ali mesmo. O estacionamento da tal conveniência estava lotado de carros antigos. Seria melhor deixar o carro na estrada. Pensou que fosse um desses encontros de colecionadores de carros antigos. Nunca tinha visto nenhum daqueles modelos antes! A menina ainda relatou ter pensado em como alguém compraria ou colecionaria “uns trem” tão mal cuidado, caindo aos pedaços?!?!?!?!? Mas que só poderia ser coisa de”véi” mesmo. Entraram todos no estabelecimento e “bizarro” foi o termo usado ( pela filha dela) pra descrever o local e as pessoas! -Era um povo feio, tudo com pele amarela de doente, dentes podres, os homens e as sobrancelhas grossas e unidas... inclusive a de todas as mulheres! Até as crianças eram horrorosas... Crianças tinha fisionomia de velhas e sofridas! O lugar fedia! Fedia podre! Uma barulheira, todo mundo berrando, tocava uma música que ela não conseguia explicar. Era um ruído que estava grudado na cabeça dela. A música era um xiado fino, alto que dava a impressão de estar tocando dentro do corpo dela. A música machucava o seu pensamento. Era uma penumbra... uma luz que não iluminava e era difícil enxergar as coisas... ela tinha que forçar os olhos, piscar algumas vezes até distinguir os objetos ao redor. Objetos que nunca vira! Não dava pra imaginar a utilidade deles! Eram muitos corredores e prateleiras cheias de comida e coisas sem sentido! Enquanto se concentrava pra lembrar tudo que precisava comprar pra lasanha, a música dentro dela apagava as palavras. Ela fechou os olhos e forçou a memória... Talvez a força do seu pensar fez a música parar. Fez as pessoas pararam de gritar! Sentiu as maozinhas dos seus primos agarrarem sua mão e sua roupa. Ela sabia que estava chorando. Disse: - Mãeeeeee, fiquei com medo de abrir os olhos porque eu senti o peso daquele povo bizarro encarando a gente. Só abri porque ouvi um deles( referindo a um dos primos) dizer meu nome! Quando abri os olhos, meu irmão tinha desaparecido. Ele tinha sumidoooooo!!! Mãeeeeee, ele sumiu e não foi culpa minha... foi um segundo! As luzes começaram a piscar. Era uma luz sem cor, parecia que estávamos dentro de uma das fotografias daqueles binóculos da vovó! E as pessoas apontavam o dedo na nossa direção, gritando...eles gritavam sem mexer a boca: INTRUSOS, SAIAM DAQUI! SAIAM DAQUI! SAIAM DAQUI! VOCÊS NÃO PODEM FICAR AQUI, SAIAM DAQUI! Eu olhei pra uma senhora que estava bem próxima de nós e pedi ajuda. Contei que precisava comprar o que a mae nos pedira ... perguntei se ela tinha visto pra onde fora meu irmão. Mostrei o dinheiro! Ela riu!Quando ela abriu a boca sem nenhum dente, senti um bafo tão podre que o vômito quase saiu! Os primos estavam chorando, tremendo agarrados em mim! Comecei a chamar ele ( irmão/filho 5 anos)... e os bizarros, outra vez começaram : INTRUSOS, SAIAM DAQUI! SAIAM DAQUI! SAIAM DAQUI! VOCÊS NÃO PODEM FICAR AQUI, SAIAM DAQUI!
Eu não conseguia me mexer. Não dava pra andar!
E a música entrou em mim outra vez, mais alta e barulhenta! Minha cabeça doía e achei que desmaiaria. Nunca desmaiei... nas sabia que estava pra cair dura no chão! De repente, mas um de repente que pareceu horas, meu irmão aparece de mãos dadas com um bizarro tamanho criança. Ele veio dizendo que era o amigo que ele disse que conheceria aquele dia no carro no futuro. O bizarro chegou perto da gente dizendo que também me conhecia! Que já tinha falado que ( o filho de 5 anos) deveria fazer comigo o que (ele, bizarro!) tinha feito com a irmã dele! Eu puxei ele( apontou pro irmão) pra perto da gente! Mãe, ele não queria vir com a gente! Disse que ficaria com o amigo lá. Aí eu fiquei louca, fui arrastando todo mundo pra fora! O bizarro amigo dele, disse pra eu não falar alto porque “O ALGUEM”poderia acordar e pegar a gente pra ele! Eu mirei o rumo da porta, comecei a correr, as crianças também e o bizarro atrás da gente. Tinha escurecido. Era noite! Tinha neblina, um frio que esfriou meus ossos. Daí a gente correu muito! A gente corria e não chegava nunca até a estrada! Mas quando conseguimos, eu olhei, eu pisquei pra ver melhor e o carro tinha sumido. Sumidooooooo! O carro não estava mais lá! Sentamos no meio fio, meu irmão chorando porque queria voltar pra ficar com o amigo, os primos pedindo pela tia! Eles tremiam e batiam os dentes de frio! Entrei em pânico,porque como eu explicaria que perdi o carro, não comprei as coisas! Foi aí, que vi você mamãe, passar na nossa frente dirigindo nosso carro. Gritamos, corremos atrás de você, acenamos e você não olhou! Você não ouviu a gente gritar! Maeeeeee, você foi e voltou, foi e voltou, foi e voltou! Depois passou a tia em outro carro com o pai,o vovô e o tio! Mãe e tia, vocês nos ignoraram na beira da estrada. E aquela peste do moleque bizarro, de longe morrendo de rir da gente e gritando BEM FEITOOOOO! Como se não bastasse tudo isso, começou a ventar forte e a tempestade começou a cair. Ficou mais frio e a gente não conseguia respirar de tanta água que caia. A solução foi vir a pé, estrada escura, com chuva...Andamos até aqui!
OS SOBRINHOS:
-A gente ficou com muito medo! - Eu fiquei com tanto, tanto medo que fiz xixi na calça. -Eram monstros! - Eles queriam comer a gente! -Você não viu?!?!? Eles iriam picar a gente pra vender como carne moída! -Sera?!? E choraram muito. Ainda não conseguem dormir sozinhos em seus quartos. A luz tem que ficar acesa! Quando dormem, têm pesadelos e acordam aos berros!
O FILHO DE 5 ANOS:
-Mãe, foi legal. Sabia que meu amigo morava ali? Eu disse! Ele me visitava as vezes nos sonhos. Mesmo quando eu sonhava acordado e de dia! Hoje, a gente brincou de esconde-esconde e pega-pega!Fui na casa dele e comi comida lá! Sujei minha roupa de sangue e a mãe dele me emprestou essa. Essa roupa é do meu amiguinho! Ela falou que vai lavar a minha e depois trazer aqui pra você! Me convidaram pra ir lá outras vezes, passar as férias. Falei que pediria pra mamãe e pro meu papai! Foi super legal e meu amigo disse que já tinha me visto lá no futuro muitas vezes e que morarei com eles pra sempre! Pra sempre é muito tempo? Posso, mamãe? Deixa, por favorzinho?Por favorzinho? Eu convidei ele pra vir aqui amanhã brincar comigo, tá? Se você falar com a mãe dele, ela poderia deixar ele dormir aqui, né?!?!? Deixa, por favorzinho... diz que sim, mamãe!
Voltaram TODOS PRAS SUAS CASAS EM SÃO PAULO no dia seguinte, assim que o dia clareou. Os pais dela colocaram o sítio à venda e moram com ela, por enquanto. Minha cliente acredita que existe um lugar além. Ela tem certeza absoluta e provas disso! Está apavorada. Seu filho fala, brinca, canta, dá gargalhadas e afirma que o amigo está ao lado dele! Assim que entrou na sua casa em SP, correu até a lavanderia. Ela encontrou as roupas que seu filho usava no dia do sumiço. Estavam dentro da sacola, ao lado da máquina de lavar!
submitted by DonaBruxa_Deyse to u/DonaBruxa_Deyse [link] [comments]


2020.09.13 22:39 TravsTravinho Por que as pessoas têm medo de assumir um namoro? Por que é tão difícil mergulhar no amor e aproveitar os bons momentos?

Eu (20H) conheci esse menino (19H) no Tinder faz alguns meses, acho que há uns 4 ou 5 pra ser mais exato. Ele é bem bonitinho e é o meu tipo rs, mora em uma cidade que fica meia-hora de estrada da minha. Eu me divido entre morar aqui e em outra cidade (300km de distância) onde faço faculdade, e ele faz faculdade do outro lado do Brasil. Ambos estamos de volta nas nossas cidades natais por conta da quarentena em 2020 e das aulas estarem rolando online.
Nós conversamos alguns dias sem parar por mensagem, eventualmente esquecemos um pouco, mas depois voltamos a conversar por ter dado um segundo match no Tinder, daí fui bem direto, já que nunca consigo um date nesse raio de aplicativo e resolvi chamá-lo pra sair (isso em Julho). Saímos, ele veio pra cá, e como eu tenho carro a gente começou a dar bastante rolê por aqui, e depois eu sempre levo ele de volta na cidade dele, ficamos sempre batendo papo até de madrugada no carro. Contudo, ele não pode ficar aqui em casa e nem eu posso ficar na casa dele, porque ambos estamos ficando na casa dos pais.
A maneira que achamos de ter um momento foi a de irmos para a cidade onde faço faculdade, lá eu tenho minha casa e podemos passar um tempinho mais íntimos. Acho que no nosso quarto date fomos passar uns 4 dias lá. De qualquer forma é meio caro, e pegar um avião pra cidade dele não é uma opção também, pelo menos não agora com o preço das passagens. Normalmente fazemos sexo no carro perto da casa dele, e sim, eu sei, é triste a vida do gay que não pode ter intimidade com alguém.
De qualquer forma toda semana a gente se encontra, ele não tem tanta grana e acaba que eu pago muitas coisas pra ele. Durante o mês de Agosto, entre a viagem pra minha cidade, idas e voltas da cidade dele, restaurantes e gasolina eu acabei gastando 2.100 reais!!! Eu não sou rico nem nada, eu só ganho uma boa bolsa de 1.500 reais pela faculdade, que não tenho usado pra nada esse ano (to na casa dos meus pais desde Março) e tenho um tantão desses meses todos guardado na poupança para viajar ano que vem.
Estamos muito bem até então, passamos noites e noites conversando no Discord, vendo Netflix juntos. Ele já sabe muito sobre a minha vida, sobre meus relacionamentos passados, meus amigos, minha família e eu sei sobre o dele, incluindo o péssimo passado que ele teve com um ex-namorado abusivo. Ele me diz que sempre foi um inocente apaixonado, e se jogou muito facilmente nesse relacionamento com o ex, o que gerou muitos traumas, crises de pânico, rolou traição e mais um monte de coisas bem pesadas que não quero falar aqui.
Eu sou um cara bem de boa, ele diz que eu sou um príncipe, que nunca conheceu alguém que o tratasse tão bem, que fosse tão inteligente, atencioso. Acho que parte disso é que nos meus relacionamentos passados eu aprendi a me importar muito com quem eu amo, e realmente, eu sempre faço muitos elogios pra ele, tento fazer ele se sentir seguro, e por mais que ele tenha dificuldades de acreditar que alguém realmente gosta dele, sempre gosto de afirmar como ele é importante, autossuficiente, e merece tudo de bom no mundo, que ninguém mais pode fazer com ele o que o ex fez. Eu sou o tipo de namorado que mostra o quanto gosta e se importa desde coisas pequenas, como abrir a porta do carro , até imaginar que eu me jogaria na frente de um tiro por quem eu amo, e eu o amo. Amo muito, nunca conheci alguém assim, e eu sei quando é paixão e quando é amor, sou novo, mas eu sempre fui meio precoce rs e precisei amadurecer muito cedo na vida.
Ele disse que me ama primeiro, não sei, eu aprendi a não admitir isso tão cedo, ver onde estou pisando e ver se realmente há reciprocidade. Posso tecer mil elogios mas só digo que amo quando tenho certeza. Tudo parece muito perfeito (exceto pelo dinheiro rs), mas ele não quer namorar, ele tem medo, muito medo. Medo de se entregar e fazerem de novo com ele o que ele sofreu, medo de que algum príncipe como eu resolva mudar meu jeito repentinamente e vire um monstro, usando da dependência emocional dele como arma, chantageando, traindo, etc. Medo de voltar para a cidade da faculdade dele e estar preso em um relacionamento com alguém há quase três mil quilômetros de distância, por mais que eu não veja problema em voar até lá para vê-lo. Medo da palavra “namorado”.
Sério, a gente já faz tudo que um casal de namorados faria, talvez seja meio cedo, mas ele diz que não quer ficar com outras pessoas além de mim, e eu digo o mesmo, ele diz que me ama e que não vê o dia dele sem falar comigo, que não consegue ficar longe de mim por muito tempo e já morre de saudade quando a gente se despede, ficamos conversando no carro, ouvindo música, mostrando qualquer coisa no celular um pro outro até a bateria acabar e perdermos noção do tempo. Já cheguei em casa 5h da manhã uma vez sem saber que horas eram ou por quanto tempo ficamos juntos. Ontem assistimos um filme em call pelo Discord e eu assisti ele dormir por umas duas horas enquanto eu estudava para uma prova que fiz hoje cedo, e quando ele acordou no meio da noite disse que não queria desligar, que queria dormir sentindo como se estivesse comigo, abraçando o travesseiro. Mesmo assim, ele não quer me chamar de namorado.
Mas, se o sentimento que eu sinto por ele é tão bom e puro, se nosso amor é tão saudável e cresce cada dia mais, por que precisamos nos segurar e não nos jogar no amor? Como pode uma pessoa traumatizar outra a ponto de alguém ter tanto medo de uma palavra?
submitted by TravsTravinho to desabafos [link] [comments]


2020.08.18 13:47 franciscomanim Tenho doença Incurável benigna, mas vai me matar um dia.

Eu tenho uma síndrome genética auto-imune rara, a única coisa q ela causa em mim é odor fétido por todo meus corpo, poros e liquidos e não tem remédio ou tratamento na medicina, pois ela é extremamente rara e os tratamentos e remédios usados contra está doença são baratos e a indústria da medicina não quer estudar e criar uma cura barata, estou vivendo um dia após o outro e não me importo mais com as pessoas perto de tampando o nariz e se afastando. TMAU é o nome dela, no Brasil já somos perto ou mais de 50mil pessoas acometidas. Desconfio tbm q tenho BROMIDROSE, porém devido ao tmau sinto os mesmos sintomas da BROMIDROSE. Minha sorte na vida: antes da doença aparecer, eu passei em um concurso, e já estava trabalhando por 10anos e já com a condição ESTÁVEL no emprego, pois se não fosse isso, NINGUÉM me daria emprego, e eu entendo perfeitamente a pessoa, muitos acham q meu odor fetido é falta de higiene, mas conforme eu falei, o odor não some, mesmo se eu ficar de molho o dia todo em uma banheira de perfume, no momento q eu sair, ficam os cheiros do perfume e de peixe, ovo e carne podre no ar, estes são os odores q o TMAU me faz exalar. Tratamento, foi descoberto por pessoas mesmo, testando coisas, estudando o assunto, e hj em dia há algumas coisas q aliviam o sintoma, mas o principal meio é, COMER QUASE NADA, pois o q faz o odor ficar extremamente forte é uma vitamina w é botada artificialmente em todos os alimentos, e essa vitamina é apelidar de vitamina da juventude, pois ela faz a pele se preservar por mais tempo e melhora quase tudo nas pessoas, só q quem tem tmau ela é um veneno, é o gatilho para os odores, é a vitamina B7 COLINA (sim ela é nova recém descoberta não tem nos livros escolares atuais) logo como qqr alimento tem colina se eu comer, já era. TMAU faz com q a colina não seja quebrada em pedaços minúsculos q não provocam odores, TMAU faz com q a colina fique acumulada no corpo em pedaços grandes, não sendo excretada nas fezes, ficando liberando seu odor pelos poros e liquidos do corpo. Em fim, um dia acabo com isso tirando minha vida, a depressão, síndrome do Pânico, e o estresse me acompanham por todo lugar q ando, não frequento locais q tem muitas pessoas e é fechado, não entro em carros, elevador etc. Isso não é vida, estou esperando só minha filha menos de 9 anos se formar, este será o dia q deixo este mundo, pois sou o pilar de minha casa, e quero formar TDS meus filhos, pelo menos isso quero deixar de bom neste mundo. Em fim é isso, não sei resumir. Desculpem qqr erro do corretor. EDIT: frequento grupos de autoajuda da doença, uso medicamentos já testados por membros e há lista de qtd de colina por alimento q saiu ano passado o estudo de uma univ.do EUA sobre quais alimentos tem mais colina para se comer mais estes e se manter vivo por mais tempo, há usamos em reverso, os q tem menos colina é q comemos e os q tem mais nem triscamos, e a dieta consiste em 500gramas semanais de colina o q da 3 gemas de ovo por semana, todas as carnes tem em média 500g de colina, várias frutas deliciosas tbm. Usamos carvão ativado (usado contra envenenamento) para barrar os odores, mas ele barra tbm as vitaminas, logo, mesmo nos comendo ficamos fracos, e há 2 tipos de TMAU, TMAU1 o q a pessoa já nasce com ele, e o q tenho TMAU2 Q surge a qqr momento na sua vida dependendo das suas condições alimentares e imunidade, no meu caso foi depois q retirei minha vesícula, minha gastrite aumentou e criei gordura no fígado, início de cirrose(já tratado) e veio a TMAU, q descobri há 2 anos atrás, ou é TMAU ou é DISBIOSE INTESTINAL q possuem os mesmos sintomas e tratamentos.
submitted by franciscomanim to desabafos [link] [comments]


2020.07.29 19:26 XXI_Heretic Quis custodiet ipsos custodes? A opinião de um OG do /r/portugal sobre o estado actual do sub e a moderação do asantos3

Já ando no /portugal desde 2011 quando éramos menos de 2000 subscritores, nessa altura a internet ainda era uma nova fronteira onde imperava a liberdade de expressão, e tanto os admins do reddit como o cavadela, que na altura era o único mod, defendiam esse valor:
In 2012, Yishan Wong, the site's then-CEO, stated, "We stand for free speech. This means we are not going to ban distasteful subreddits. We will not ban legal content even if we find it odious or if we personally condemn it."
https://en.wikipedia.org/wiki/Controversial_Reddit_communities
1- Podia fazer o portugal ao meu gosto e da minha imagem mas não quero
O portugal foi criado por mim mas não é meu. É dos seus utilizadores que farão dele o que bem entenderem. É assim que o entendo. Os posts que coloco são aqueles que enquanto user acho relevantes. Tenho ficado como único mod porque não dá trabalho. Filtro spam e ajudo pessoas que submeteram um post mas não o vêem aparecer.
2- Podia ter mais mods mas não quero
Ser mod solitário também não faz com que me entenda como ditador solitário do portugal. Essa posição não me dá nada. Já vários me pediram para serem também mods mas todos os que me pediram para o serem andavam atrás de algo que me assustava. Ou queriam começar a banir posts com base nas suas preferências ou queriam criar flairs ou demais para tornar evidente se o post era dos "seus" ou da outra facção.
https://old.reddit.com/portugal/comments/23iv03/vamos_l%C3%A1_dar_cabo_disto/
Era a altura em que eram permitidos subs como o infame /niggers e em que o apoio ao Ron Paul 2012 dominava grandes partes do reddit. Em vez da actual cancel culture e censura dominavam os ideais libertários.
Essa foi a era dourada do /portugal, onde éramos livres de postar o que quiséssemos e avacalhar à força toda. Apesar das constantes discussões políticas e dos insultos que frequentemente eram atirados o ambiente era muito menos pesado do que actualmente, o pessoal gozava com o outro lado da barricada mas ao fim do dia partilhávamos todos, desde a extrema-esquerda até à extrema-direita, o mesmo espaço e discutíamos abertamente sem problemas. Era um pequeno sub em que quase todos os utilizadores mais activos se conheciam e por isso havia um sentido de comunidade e desenvolviam-se dramas entre utilizadores que davam vida e energia ao subreddit, com o turnusb no meio de muitos deles:
https://old.reddit.com/portugal/comments/22p13e/cavadela_e_essa_conversa_sobre_modera%C3%A7%C3%A3o_quando_%C3%A9/cgp0rtu/
https://old.reddit.com/portugal/comments/1z4v77/weed_like_to_talk_bora_l%C3%A1_assinacfqj4le/
https://old.reddit.com/portugal/comments/221y1w/mouraria_pode_ter_primeira_sala_de_consumo/cgnwrpj/
https://old.reddit.com/portugal/comments/1p43gf/prova_de_que_h%C3%A1_redditors_com_m%C3%BAltiplas_contas_a/ccytpgu/
https://old.reddit.com/portugal/comments/1p43gf/prova_de_que_h%C3%A1_redditors_com_m%C3%BAltiplas_contas_a/ccykabj/
https://old.reddit.com/portugal/comments/1qzzy1/isto_%C3%A9_o_tipo_de_merdas_que_quem_frequenta_este/
https://old.reddit.com/portugal/comments/1vlors/preparemse/
https://old.reddit.com/portugal/comments/2bsbzu/pessoal_%C3%A9_o_cakeday_do_xenofobo_residente_do/
https://old.reddit.com/portugal/comments/2dgqjm/apareceu_um_carro_%C3%A0_frente_sen%C3%A3o_ia_a_300/cjpg4u3/?context=3
https://old.reddit.com/portugal/comments/20o4j5/an_average_day_on_rportugal/
https://old.reddit.com/brasil/comments/2pf5bn/amarequesttugasnakeamarequest/
Essas threads são só alguns exemplos da polémica e diversão que havia antigamente no sub e que seria impossível hoje em dia. Quem não gostasse desse drama só tinha que dar block a uma dúzia de contas e o problema ficava resolvido. Ironicamente hoje isso já não seria possível pois os mods com a sua visão paternalista decidiram que os utilizadores são incapazes de bloquear outros users e que mais vale correr tudo com bans.
Eventualmente o turnusb foi shadowbanned pela administração do reddit por ter vários heterónimos aka contas fantoches e eu tive a honra de tornar-me no primeiro utilizador a ser banido permanentemente do /portugal (excluindo contas de spam), por causa de um shitpost demasiado edgy numa fatídica thread sobre fruta. Quando isso aconteceu recebi várias mensagens, inclusive até de utilizadores comunistas, a dizerem que eram contra o ban e gostavam dos meus posts e a discussão que eles geravam. Em resposta ao ban decidi focar-me noutras coisas e deixei o sub durante dois anos e quando voltei já estava numa posição muito melhor na minha vida.
Depois o asantos3 entrou na equipa de moderação por CSS Injection e a partir daí foi sempre a descer. Sem dúvida alguma não há pior mod que ele e dar-lhe mais permissões para além do CSS foi o cavadela a abrir uma caixa de pandora. Haviam dezenas de utilizadores mais activos do que o asantos3 e hoje há centenas. Ele nunca participou muito do sub que modera, aliás, se quiserem um bom drinking game experimentem tomar um shot por cada post em https://old.reddit.com/useasantos3/ com símbolo de moderador. Não vão precisar de ver muitas páginas até entrarem em coma alcoólico... No entanto apesar de não participar muito no /portugal sorrateiramente ele conseguiu ganhar poder na moderação e chegamos hoje ao ponto do cavadela estar relegado à sua cuckshed enquanto o asantos3 fode-lhe o subreddit.
Isto intensificou-se agora, mas há muitos anos que há queixas contra a moderação do asantos3:
https://old.reddit.com/portugal/comments/4nrmc4/acaba_de_acontecer_um_atentado_violent%C3%ADssimo_nos/d46dtw8/
https://old.reddit.com/portugal/comments/4sw5pt/atentado_em_nice_provocou_pelo_menos_60_mortos/d5cozoy/
https://old.reddit.com/portugal/comments/5ekqrj/o_moderador_asantos_come%C3%A7ou_a_banir_pessoas_sem/dadnxra/
Não acredito que a personalidade do asantos3 seja compatível com a posição de moderador. Essa posição requer alguém que pense com calma e logicamente enquanto ele já demonstrou várias vezes agir por impulso e de forma emotiva, rude e passivo-agressiva:
https://i.redd.it/ax7cz0747i751.png
Ou o caso em que ele baniu um utilizador por dizer que eram "rappers a ajustar contas", algo que ele viu como uma "piada racista de mau gosto" apesar de ser uma citação de uma notícia do TVI24...
https://i.imgur.com/5dYrbBx.png
Acho que um sub com o nome de Portugal merece melhor moderação que isto. O asantos3 é o típico gajo com um QI de 115 a 130 que por ter uma inteligência acima da média convence-se de que está dotado para decidir pelos outros, que ele acredita não terem intelecto suficiente para decidir por si próprios.
Citando uma resposta dele sobre a democracia directa:
Talvez porque não estamos na grécia antiga e os cidadãos muitas vezes não sabem o que é o melhor para o país.
https://old.reddit.com/portugal/comments/26luln/pergunta_honesta_e_dif%C3%ADcil_seguir_algumas/chs9uvv/?context=3
Parece-me que ele sofre de um complexo de superioridade como o grande Bastiat explica nesta citação:
https://i.imgur.com/pqqYj78.jpg
Não existe pessoa mais autoritária do que alguém que está convencido da sua moralidade. Não acredito que o moço seja má pessoa, mas ele acredita tanto na rectidão dos seus valores de esquerda/extrema-esquerda que está disposto a silenciar quem tiver opiniões contrárias às suas, o facto de ele acreditar tão fortemente na virtude das suas crenças leva a que ele julgue que quem não as partilha só pode ser uma má pessoa. Assim o diálogo torna-se impossível e o /portugal vai degenerar num echochamber de esquerda como já aconteceu a muitos outros subs.
E para que não haja dúvidas do radicalismo de esquerda dele, vejam a resposta que deu a este comentário:
Soooo Greece just elected a Communist...this is definitely going to end well.
asantos3:
And the problem with that is?
The current right wing politics - austerity - aren't working and the Greece don't trust the socialist no more, this was the best solution.
Besides that, SYRIZA is much broader than the communist ideology.
https://old.reddit.com/worldnews/comments/2tsl5c/greeces_new_prime_minister_alexis_tsipras_made/co1zo51/
E sim, isso foi há 5 anos mas se forem agora ao perfil de twitter dele vão ver que o Livre é o único partido político que ele segue, aliás, não me admirava se ele tiver sido um dos idiotas úteis que meteu a Joacine na AR. Ele está mais perto de ser um americano da Califórnia ou Soviético do que Português. Aposto que se um antepassado dele criasse uma conta no reddit acabava banido por ele.
O mais engraçado é que ele é incapaz de perceber que ao transformar o /portugal num espaço de discussão aberta para todos num local com uma moderação forte, ele está a contribuir para o radicalismo. Sem diálogo as pessoas ficam nas suas bolhas, seja o /Avante ou o /portugueses onde não estão expostos a ideias contrárias às suas e através da afirmação positiva que recebem nesses echochambers tornam-se cada vez mais radicais e fechados a outras opiniões. A censura do Chega e o desprezo por quem apoia esse partido só leva mais pessoas a tomarem o lado do André Ventura.
Durante os anos fui abordado algumas vezes por pessoas que queriam criar uma alternativa sem censura ao /portugal, mas sempre achei que não haveria utilizadores suficientemente descontentes para tornar isso uma realidade, pois comparativamente ao resto do reddit, a moderação do sub até era das que menos censurava. Infelizmente isso mudou nos últimos meses e eles agora têm a mão pesada, pelo que agora o crescimento do /portugueses é inevitável. O ambiente nunca foi tão sério e sem sal. Um sub que outrora tinha um ambiente de bar descontraído tornou-se agora num espaço super formal onde tudo é levado a sério e quem não seguir a linha é atirado pela borda fora. Isto é uma consequência da mudança de estilo da moderação que passou a ser muito mais séria, chegando até a ser cómico o quanto os mods levam isto a sério:
https://imgur.com/a/StzCb
Podia escrever muito mais mas este fio já está a ficar grande como o meu caralho, vou terminar só por dizer que fui um dos 20 membros originais do /european, um subredddit sem censura criado em resposta à censura que ocorria no /europe, muito análoga à situação que temos hoje com o /portugal - /portugueses. Apesar de ter sido criado muitos anos depois do /europe e não ter a exposição que o reddit dava a esse sub, o /european cresceu a olhos vistos e em pouco tempo chegou ao ponto de ter dias em que havia mais utilizadores activos nele do que no /europe, normalmente quando a "religião da paz" resolvia fazer uma das suas acções na Europa. Isto demonstra que havendo a opção entre um subredit com censura e regras estúpidas e um sem censura e só com as regras do reddit, os utilizadores naturalmente migram para o subreddit sem censura, especialmente em dias onde ela seja usada excessivamente para impedir a discussão de eventos problemáticos. Mas atenção que eventualmente o facto da maioria dos utilizadores do /european serem de direita nacionalista foi usado como desculpa pelos admins para meterem o sub em quarentena quando ele atingiu um tamanho demasiado grande.
Peço-vos que não tornem este subreddit num circlejerk de direita. Utilizadores de extrema-esquerda como o AntonioMachado também foram banidos e apesar de ele ser um comuna vegan (com o qual discordo a 100%), ele têm direito a expor a sua opinião e mesmo que não concordem com ela se contribuir para a discussão sigam a reddiquette e deiam upvote em vez de downvote.
Nenhum Português étnico merece ser silenciado num subreddit nacional. O verdadeiro inimigo são as potências estrangeiras que semeiam a divisão nas nações Ocidentais com vista a desestabiliza-las. Foi dessa forma que a União Soviética avançou os seus interesses à custa dos nossos no Sul de África ao colocar pretos contra brancos e o mesmo truque está agora a ser usado nos EUA onde o movimento BLM é usado como pretexto para destruir o país por dentro. Infelizmente esse trabalho está a ser tão bem feito que apesar de os EUA serem o alvo principal destas acções até em nações secundárias como Portugal há pessoas como o asantos3 a engolir a propaganda e a andar em carris sem terem noção disso.
TL;DR: O /portugal hoje está uma merda sem sal e a moderação está a contribuir para aquilo que gostariam de evitar. Em consequência este sub vai crescer mas é importante que cresça para todos e não só para quem é de direita.
TL;DR2: Se visse o asantos3 a arder na rua cuspia nele antes de ir buscar um extintor.
submitted by XXI_Heretic to portugueses [link] [comments]


2020.03.05 22:31 pangecc [Serio] vendi o carro no OLX e correu mal

Então, antes de mais sei que não fiz as coisas bem feitas, que seja.
Tinha um carro e queria livrar me dele o mais depressa possível. Estava estragado e não tinha paciência para o consertar, já estava velho.
Meti no OLX e em menos de 30min já tinha 15 mensagens de 15 interessados (nunca na minha vida me aconteceu semelhante).
No anúncio disse que o carro estava estrago, sem IPO etc.
Um tipo mandou mensagem a oferecer mais que no anúncio, eu disse para ele ter calma, sendo que ele estava a dizer que queria o carro na hora.
Fizemos o negócio, ele levou a declaração de venda e disse que na segunda-feira(da próxima semana) ia vender o carro a outro então deixava assim para não ter que fazer duas passagens. (Sou burro eu sei)
Dinheiro na mão negócio feito.
Hoje liga me que o carro tem a junta queimada e o bloco partido, ora eu não percebo muito mas há um mês estive na Mercedes a ver do carro eles fizeram um check-up que nem de longe nem de perto falam disso. O carro nunca teve problemas a pegar nem fazia fumo nem aquecia.
Ele diz me que é cigano e que vai me fazer uma espera mais a família. Eu digo que vou apreender a matrícula e que de mim não vem um cêntimo (isto soa a fraude, ele deve ter mudado as peças do motor e agora quer me devolver um carro todo fdd)
Liguei logo para a PSP e disseram me para lá passar, para no mínimo, ir havendo registo caso haja uma multa no carro (que ainda está em meu nome).
Assim que lhe falei em polícia ele ficou com medo, já me tinha dito me que tem uma frota Uber e portanto imagino que registo criminal deva ser a última coisa que ele quer.
Em suma, que devo fazer? Devolvo o dinheiro e fico com um carro que continua estragado (ou até mais) e mando para abate. Fico com o dinheiro e vou à polícia abrir uma queixa-crime de fraude? Isto é tudo bluff para eu ceder?
Na net há reports similares a este.
Edit:
Fui na PSP eles fizerem um relatório para me salvaguardar em caso do gajo arranjar multas em nome do carro.
Esta manhã era suposto termos acordado numa decisão. Estava a dormir não atendi as várias chamadas. Só lhe deixei esta mensagem:
Ola (Tipo que me queria foder a vida) Sim sei o que vou fazer. Situações iguais a esta estão relatadas na internet e na polícia vezes sem conta. O carro não saiu das minhas mãos com o problema que refere e por isso não sou eu que estou a ser incorreto. Podemos resolver a situação a bem e você passa o carro para seu nome ou de quem quiser nos próximos dias ou vou avançar com uma queixa formal na polícia e com a apreensão da matrícula no IMT. O incidente está já registado nas autoridades. Por isso se o carro for usado para fins ilícitos o mesmo já se encontra identificado como já sua posse. Depois das ameaças de ontem nem deveria de lhe dar a oportunidade de registar o veículo em seu nome. Mas em boa fé vou permitir que o faça. Se não me enviar o comprovativo de venda até quarta dia Xyz eu avanço com a apreensão da matrícula. Agora a decisão é sua. Um bem haja.
Depois disto nunca mais me ligou ou mandou mensagem.
O número da esquadra mais próxima (fica a 1km daqui) está na minha lista de speed dial. E o seguro cancelado. Se ele não muda o título já tenho a 2ºvia encaminhada e os 120€ para dar no fim dos 30 dias que ele tem para mudar o título do carro.
Vou deixando updates.
TL;DR vendi um carro a um cigano, ele está a dar-me um golpe.
submitted by pangecc to portugal [link] [comments]


2019.12.26 01:41 FeedBerg LactoVacilo

Semana passada, tava de boa aqui em casa, depois de chegar do trampo.
Aí, começaram a bater palma no portão. Fui atender, era a tia que vende yakult. Falando: “quer Yakult, senhor?”.
Eu gosto de yakult, fui lá no portão e falei “quero sim, me vê um pacote fechado”, porém, notei que ela me olhava diferente, fazia uns movimentos lascivos com a sobrancelha e os lábios, num clima envolvente e sensual, típico de uma mulher no cio necessitando acasalar. Do nada, ela me disse que estava com vontade de ir ao banheiro. Malandramente (e era não era nada inocente) ofereci o banheiro de minha humilde residência pra ela. Abri o portão e ela então adentrou minha casa puxando a carriola, a qual ficou estacionada no quintal. Entramos e ela de fato foi ao banheiro. Após isso, ofereci a ela um potinho de yakult, do qual eu mesmo havia comprado. Estava gelado. Ofereci um brinde, ela aceitou e no momento eu disse “a nós”.
Degustamos aquela maravilhosa bebida, tecendo elogios aos lactobacilos vivos e ao excelente funcionamento intestinal que os mesmos promovem, porém em nossos olhares já nos despíamos. Resolvi tomar uma iniciativa, levantei-me, coloquei no Spotify um álbum de Kenny G e me voltei a ela, massageando meu penes por cima da minha multicolorida bermuda da osklen. Ela mordeu os lábios e então me aproximei. Ela abriu o botão da minha bermuda e destacou o velcro, vagarosamente. Meu membro em riste saiu pelo buraco da minha zorba e ela se pôs a chapá-lo como uma bezerra faminta dos andes, magistralmente. Foi então que eu disse “fica de 4 sua vadia”. Ela ficou de 4 no sofá, eu baixei a calça dela e introduzi minha verga, sem camisinha, to nem ai sou enlouquiçado mesmo... Fiquei alí bombando aquela caverna suada quando propus a ela um sexo anal. Ela topou. Fui até a cozinha procurar algo que fosse lubrificante, estava com pressa, quando achei um potinho de cápsulas de óleo de fígado de bacalhau. Pois bem, peguei aquilo mesmo, o tesão tomava conta da minha persona, voltei pra sala, abri o potinho, peguei umas 4 balinhas daquela, estourei e passei no "zói de porco" dela. Estourei mais 3, melequei minha tora e introduzi no butuim dela. Foi mágico, acho que estou apaixonado.
Hoje eu tava em casa numa boa, jogando um Diablo 3 quando de repente toca o interfone. Olhei pela fresta da janela e vi que era a tiazinha do yakult de novo. Atendi e falei “hoje não, obrigado” e desliguei. Aí ela continuou tocando e tocando. Atendi novamente e disse que não queria yakult. Aí ela disse “FeedBerg, preciso falar com vc, assunto sério” e eu respondi “olha, não temos mais o que conversar, o que rolou entre a gente foi lindo mas eu tô em outra, segue o teu caminho, eu te acho uma criatura especial, vc sabe disso mas passou, não to nessa pegada” e novamente desliguei o interfone. Voltei pro meu Diablo, tô lá jogando de boa quando sem mais nem menos escuto um puta estrondo. Olhei pela fresta da janela de novo e não vi nada. Dalí uns segundos, vejo a mulher tomando distância no meio da rua com o carrinho e vindo pra cima do portão de novo. O portão de casa é de folha de zinco, ela tava batendo com o carrinho de yakult no portão, eu desci correndo e nesse meio tempo ela deu mais uma pancada que arrancou a dobradiça do portão e derrubou ele. Cheguei na rua, ela tava na febre do rato, locaça. Foda que o carrinho dela tava com um bagulho na frente, tipo um quebra-mato. Parecia uma pajero. Eu fui conversar com ela, ela veio pra cima de mim com o carrinho, tentando me atropelar, gritando, me chamando de sem vergonho.
A vizinhança inteira na rua, uma minazinha que eu sou afim mas nunca cheguei nela pq tenho vergonha viu tb, foda. Ela acertou o carrinho na minha canela, tá doendo até agora. Aí, depois de muito falar, consegui acalmar a fera e chamei ela pra conversar. Antes, passei um arame no portão pq ele ficou caído aí entrou um vira-lata da rua pra montar nas minha dog, depois outro, tava foda. Enfim, entramos, conversamos e ela me disse que tá grávida de 4 meses, que não tem onde ficar, que o marido expulsou ela de casa com os outros 3 filhos dela, que o mais velho tá desempregado faz quase 1 ano e tals. Aí eu falei “e seu marido te expulsou por que?” Aí ela disse que ele fez vasectomia, que nesse casamento eles não tiveram filhos, que os filhos dela são de outros casamentos etc. Pediu pra ficar em casa com os meninos, falou que o mais velho que tem 32 anos é pintor e que podia pintar a garagem pra eles ficarem la.
Eu disse que queria fazer DNA, ela se ofendeu, quebrou meu blu-ray, aí eu disse que beleza, eu assumia e tals. Conversamos bastante, ela se acalmou, pintou um clima e acabamos transando de novo. Eu disse que eles podiam ficar em casa, pra ela voltar amanhã com as coisas dela. Quando ela virou as costas, liguei pro meu primo Enzo que é serralheiro e pedi o carro dele emprestado. Ele tem uma strada, vende banana na feira todo sábado aqui perto do cemitério. Coloquei minhas coisas tudo na caçamba, guarda-roupa, armarios etc e vazei. Vim pros fundos da serralheria do Enzo e larguei a casa lá, o contrato de aluguel ta pra vencer mesmo, então de boa. Trouxe as minha dog e peguei um pitbull usado pra deixar na casa. Se ela derrubar o portão tá fudida.
submitted by FeedBerg to circojeca [link] [comments]


2019.12.10 19:19 JairBolsogato Como a China está retornando à decadência do comunismo hard core

A China é um país que polariza a opinião das pessoas, incluindo a minha. Eu serei o primeiro a corrigir algo que seja injustamente criticado no país e o primeiro a apontar visões excessivamente otimistas do futuro da China que estão completamente erradas.
Os anos dourados acabaram e eu vejo um país em que as políticas mais pesadas estão começando a romper o tecido social.
A primeira coisa que a China fez corretamente foi o crescimento e desenvolvimento. Tenho que admitir quando deixava a China para visitar minha cidade natal uma vez a cada dois anos, entre 2008 e 2012, era vergonhoso ver que não apenas nada mudou em minha cidade natal, mas as poucas empresas e atrações que estavam conseguindo se manter à tona estavam fechando.
O centro da cidade, que antes era aceitável, estava agora com um comércio reduzido. Pessoas destituídas estavam saindo em massa em busca de melhores empregos e realmente parece que a administração e as políticas econômicas falharam totalmente.
Isso se deu não apenas em pequenas cidades mas também na capital. Senti como se aquele lugar estivesse preso em algum ponto dos anos 70 em termos de tecnologia e situação dos trabalhadores. Não era nem a sujeira, mas tudo parecia velho.
Ao voar de volta à China, olhava pela janela do avião e via os magníficos edifícios brotando do chão como brotos de bambu após uma boa tempestade de chuva. Saía do avião e pegava um ônibus direto que custa apenas US $ 7 para minha pequena cidade de três milhões de pessoas em questão de minutos. O ônibus sai a cada 15 minutos, mas se eu quisesse ir mais rápido ainda, poderia pegar o trem de alta velocidade.
Sim, mesmo minha pequena cidade sem nome tinha uma linha ferroviária de alta velocidade, uma das cidades menos importantes da província!
Além disso, já em 2013 eu conseguia pagar por tudo usando o meu celular. A qualquer momento da madrugada, eu podia encomendar comida e bebida e recebia a encomenda na porta.
Podia descer as escadas a qualquer hora da noite e sentar na calçada e comer e beber à vontade, fazer amizade com os habitantes mais curiosos e gastando pouco ou nada. Por volta de $5 comprava algumas cervejas e churrascos. As conveniências na China são enormes.
Na China me sentia relaxado: as regras eram mais uma sugestão do que qualquer outra coisa. Eu obtinha minha renda em dinheiro ou era pago pelo WeChat dando aulas de inglês. Com 20 e poucos anos de idade, a propaganda boca-a-boca bastava para eu ter uma renda boa e muito tempo livre pra curtir, conhecer gente e seguir hobbies, como o motociclismo.
Isso tudo eu comparava à perspectiva de crescimento profissional lento como administrador de rede na minha terra natal e achava horrível.
Eu consegui subir financeira e socialmente e eu realmente senti que aquilo lá era meu lugar.
Casei-me. Tive meu primeiro filho e, embora as responsabilidades como pai tenham assumido o controle, eu ainda podia ir pro meu terraço à noite com meus amigos tomar uma cerveja e ver a cidade ao meu redor crescer. O desenvolvimento parecia que nunca ia parar.
Eu até me expandi e comecei a fazer vídeos em tempo integral, com a liberdade de sair em expedições de um mês e filmar documentários na TV com pouco ou nenhum regulamento para onde eu poderia ir ou o que eu podia fazer. Eu falo chinês fluentemente e finalmente consegui seguir meus sonhos, andando de moto e filmando conteúdo incrível com meus melhores amigos.
Mas as coisas mudaram.
Foi bastante drástico: as passagens de trem e ônibus que eu mencionei agora precisam de uma identificação chinesa para comprá-las - algo que eu nunca teria, pois estrangeiro não pode se tornar cidadão da China. Nem mesmo receber um green card, e isso significa depender da ajuda da minha esposa comprando qualquer coisa relacionada ao transporte.
Agora é ilegal colocar uma bandeira americana ao lado da chinesa na entrada do meu centro de treinamento de inglês, mesmo que isso simbolize cooperação.
As visitas da polícia se tornaram algo regular na minha vida e de meus amigos e familiares. O governo agora diz que estamos sendo monitorados e seguidos constantemente e que eu devo ter cuidado ao postar qualquer coisa online ou ter cuidado com quem eu estou associado. Todo o meu conteúdo online sempre foi bastante positivo mas agora sites não chineses estão bloqueados. Minha pequena janela para o mundo exterior foi fechada.
Meu negócio de motocicletas com meu melhor amigo foi fechado quando o governo decidiu que queria usar o terreno para construir mais prédios fantasmas para investidores imobiliários insaciáveis. Ninguém foi consultado para saber se isso era bom.
Houve um grande aumento de sequestros no parquinho do bairro. Tendo uma criança em casa, a idéia de que eu poderia perder minha filha para traficantes de seres humanos me faz perder o sono à noite.
Um quebra-quebra perto de um hospital levou ao assassinato de inúmeras enfermeiras. Agora é difícil frequentar os churrascos devido à violência nas ruas, geralmente por causa dos bêbados.
Agora, a polícia me ameaçou arbitrariamente com prisão por eu ter pilotado um drone por cima do prédio onde moro. Eles disseram que havia uma base militar que era visível nas filmagens, só que outras filmagens do mesmo local foram postadas nos sites de vídeo chineses por chineses sem nenhuma aplicação arbitrária da lei.
Quando líderes aleatórios do governo chegam à cidade, vendedores de rua são enxotados e todos os seus os bens confiscados. Todas as opções que tenho para restaurantes em minha rua fecharam e reabriram com alimentos de qualidade cada vez pior.
Tenho ficado mais doente do que antes com a crescente prevalência de óleo de procedência duvidosa sendo usado na culinária e na cozinha. Álcool falso é vendido até em grandes redes de supermercados. Não dá mais para comer ou beber qualquer coisa fora.
Os prédios que gostava de ver começaram a mostrar sinais de abandono e aqueles "brotos de bambu" brotando em volta de mim a um ritmo alucinante acabaram se transformando em estruturas ocas e apartamentos vazios, alguns deles quase desabando após três anos.
Devido aos conselhos de minha família e amigos chineses, comprei meu próprio apartamento para minha família, mas o elevador desabou duas vezes neste edifício novinho - tinha literalmente acabado de ser construído. Rachaduras maciças se formaram nos pisos e nas paredes.
A China também decidiu banir aleatoriamente as motocicletas. Todos os dias eu planejava uma rota calculada para evitar barricadas policiais, onde eles pegavam suas chaves e tomavam sua motocleta indiscriminadamente. Isso causou uma explosão insana no tráfego de carros e tornou frustrante dirigir para qualquer lugar.
Quando fiz um documentário no norte da China, focado em mostrar as aventuras positivas que a China tinha para oferecer, fomos revistados e detidos pela equipe da SWAT deles e pelo Exército Popular de Libertação, aparentemente porque eles não queriam que mostrássemos imagens de camelos.
Nós fomos assediados e intimidados em algumas cidades e nem pudemos nos hospedar em alguns hotéis. Percebemos rapidamente que a atmosfera em relação aos estrangeiros havia mudado pela primeira vez.
Eu fui abordado quase semanalmente por moradores que estavam lendo muitas notícias sobre como os problemas da China são agora culpa dos estrangeiros: "vocês estão roubando nossas mulheres chinesas", "vai para casa estrangeiro", "eu não gosto de americanos". Membros da família que antes gostavam de mim começaram a me culpar por decisões políticas no exterior que consideravam má influência ocidental. A minha fluência em chinês passou de um trunfo importante para uma triste constatação de que as opiniões das pessoas sobre o mundo exterior estavam azedando.
Os estrangeiros estão agora encurralados em um sistema de classe A, B ou C determinado por padrões arbitrários e que ditam o que podemos ou não fazer pelo crédito social. Está sendo implementado um sistema que monitora sua atividade, o que você faz ou diz sobre o governo e praticamente todas as suas ações.
Faixas elogiando a liderança atual assim como toneladas de insígnias comunistas começaram a aparecer em todos os cantos do país. Agora podem ser encontradas câmeras em todos os semáforos e esquinas.
Com todos esses novos regulamentos, o cerco apertando, o aumento da xenofobia - até o crescimento parece estar mudando - transformaram-se de um inconveniente tolerável para um pesadelo burocrático confuso.
Você vê que a China sempre prosperou quando grandes áreas da vida não eram controladas. O capitalismo cobrou seu preço de muitas maneiras, mas a vida estava melhorando e eu até me sentia mais livre do que no Ocidente em muitos aspectos (embora não no político ou na liberdade de expressão).
Agora as igrejas estão sendo desmanteladas. Milhões de minorias étnicas estão sendo colocadas em campos de concentração e informadas de que precisam ser reeducadas. Famílias sendo separadas e destruídas.Opiniões estrangeiras de entretenimento foram bloqueadas. e/ou esmagadas. Oprimem até sociedades livres como você vê em Hong Kong, com militarismo ostensivo, ameaças de prisão e muita propaganda governamental enganosa.
Os projetos governamentais como a iniciativa "Belt and Road" criaram uma população que não se atreve a falar e desiste da pouca liberdade de dizer o que queriam e que eles tinham no início.
A China se tornou efetivamente um estado policial distópico. As pessoas que eu conheci e que estavam ascendendo socialmente foram profundamente afetadas quando regime de partido único se apegou ao status quo quando o castelo de cartas começou a ruir com a desaceleração econômica e outras mudanças no mundo ao redor.
A abertura para o diálogo com outras pessoas de outros países foi efetivamente encerrada. Eles criaram um exército de trolls na Internet para exercer influência e tentar provar ao mundo que não apenas somos nós contra eles, mas que sistema deles é o melhor.
Também sinto um pouco de culpa porque nos últimos 10 anos eu mudei, e talvez agora tenha me tornado mais amargo. Mas quando olho para a minha experiência, as pessoas que eu conheci e amei, as coisas ao redor, o lugar em que comprei uma casa e fundei uma família e vendo que tudo ao redor está mudando para pior, tudo ao redor está sendo cercado e apertado, e a liberdade de expressão e idéias das pessoas que uma vez floresceram nos primeiros anos em que me mudei para a China agora têm sido esmagados, percebo que nos últimos 10 anos eu comecei a entender realmente como as coisas estão funcionando e não apenas como as coisas estão potencialmente indo.
Hoje a idéia de eu voltar para casa na minha pequena cidade natal é o que mais faz sentido e me faz sentir muito bem.
http://www.youtube.com/laowhy86
submitted by JairBolsogato to brasil [link] [comments]


2019.12.08 05:44 JairBolsogato Como a China está retornando à decadência do comunismo hard core

A China é um país que polariza a opinião das pessoas, incluindo a minha. Eu serei o primeiro a corrigir algo que seja injustamente criticado no país e o primeiro a apontar visões excessivamente otimistas do futuro da China que estão completamente erradas.
Os anos dourados acabaram e eu vejo um país em que as políticas mais pesadas estão começando a romper o tecido social.
A primeira coisa que a China fez corretamente foi o crescimento e desenvolvimento. Tenho que admitir quando deixava a China para visitar minha cidade natal uma vez a cada dois anos, entre 2008 e 2012, era vergonhoso ver que não apenas nada mudou em minha cidade natal, mas as poucas empresas e atrações que estavam conseguindo se manter à tona estavam fechando.
O centro da cidade, que antes era aceitável, estava agora com um comércio reduzido. Pessoas destituídas estavam saindo em massa em busca de melhores empregos e realmente parece que a administração e as políticas econômicas falharam totalmente.
Isso se deu não apenas em pequenas cidades mas também na capital. Senti como se aquele lugar estivesse preso em algum ponto dos anos 70 em termos de tecnologia e situação dos trabalhadores. Não era nem a sujeira, mas tudo parecia velho.
Ao voar de volta à China, olhava pela janela do avião e via os magníficos edifícios brotando do chão como brotos de bambu após uma boa tempestade de chuva. Saía do avião e pegava um ônibus direto que custa apenas US $ 7 para minha pequena cidade de três milhões de pessoas em questão de minutos. O ônibus sai a cada 15 minutos, mas se eu quisesse ir mais rápido ainda, poderia pegar o trem de alta velocidade.
Sim, mesmo minha pequena cidade sem nome tinha uma linha ferroviária de alta velocidade, uma das cidades menos importantes da província!
Além disso, já em 2013 eu conseguia pagar por tudo usando o meu celular. A qualquer momento da madrugada, eu podia encomendar comida e bebida e recebia a encomenda na porta.
Podia descer as escadas a qualquer hora da noite e sentar na calçada e comer e beber à vontade, fazer amizade com os habitantes mais curiosos e gastando pouco ou nada. Por volta de $5 comprava algumas cervejas e churrascos. As conveniências na China são enormes.
Na China me sentia relaxado: as regras eram mais uma sugestão do que qualquer outra coisa. Eu obtinha minha renda em dinheiro ou era pago pelo WeChat dando aulas de inglês. Com 20 e poucos anos de idade, a propaganda boca-a-boca bastava para eu ter uma renda boa e muito tempo livre pra curtir, conhecer gente e seguir hobbies, como o motociclismo.
Isso tudo eu comparava à perspectiva de crescimento profissional lento como administrador de rede na minha terra natal e achava horrível.
Eu consegui subir financeira e socialmente e eu realmente senti que aquilo lá era meu lugar.
Casei-me. Tive meu primeiro filho e, embora as responsabilidades como pai tenham assumido o controle, eu ainda podia ir pro meu terraço à noite com meus amigos tomar uma cerveja e ver a cidade ao meu redor crescer. O desenvolvimento parecia que nunca ia parar.
Eu até me expandi e comecei a fazer vídeos em tempo integral, com a liberdade de sair em expedições de um mês e filmar documentários na TV com pouco ou nenhum regulamento para onde eu poderia ir ou o que eu podia fazer. Eu falo chinês fluentemente e finalmente consegui seguir meus sonhos, andando de moto e filmando conteúdo incrível com meus melhores amigos.
Mas as coisas mudaram.
Foi bastante drástico: as passagens de trem e ônibus que eu mencionei agora precisam de uma identificação chinesa para comprá-las - algo que eu nunca teria, pois estrangeiro não pode se tornar cidadão da China. Nem mesmo receber um green card, e isso significa depender da ajuda da minha esposa comprando qualquer coisa relacionada ao transporte.
Agora é ilegal colocar uma bandeira americana ao lado da chinesa na entrada do meu centro de treinamento de inglês, mesmo que isso simbolize cooperação.
As visitas da polícia se tornaram algo regular na minha vida e de meus amigos e familiares. O governo agora diz que estamos sendo monitorados e seguidos constantemente e que eu devo ter cuidado ao postar qualquer coisa online ou ter cuidado com quem eu estou associado. Todo o meu conteúdo online sempre foi bastante positivo mas agora sites não chineses estão bloqueados. Minha pequena janela para o mundo exterior foi fechada.
Meu negócio de motocicletas com meu melhor amigo foi fechado quando o governo decidiu que queria usar o terreno para construir mais prédios fantasmas para investidores imobiliários insaciáveis. Ninguém foi consultado para saber se isso era bom.
Houve um grande aumento de sequestros no parquinho do bairro. Tendo uma criança em casa, a idéia de que eu poderia perder minha filha para traficantes de seres humanos me faz perder o sono à noite.
Um quebra-quebra perto de um hospital levou ao assassinato de inúmeras enfermeiras. Agora é difícil frequentar os churrascos devido à violência nas ruas, geralmente por causa dos bêbados.
Agora, a polícia me ameaçou arbitrariamente com prisão por eu ter pilotado um drone por cima do prédio onde moro. Eles disseram que havia uma base militar que era visível nas filmagens, só que outras filmagens do mesmo local foram postadas nos sites de vídeo chineses por chineses sem nenhuma aplicação arbitrária da lei.
Quando líderes aleatórios do governo chegam à cidade, vendedores de rua são enxotados e todos os seus os bens confiscados. Todas as opções que tenho para restaurantes em minha rua fecharam e reabriram com alimentos de qualidade cada vez pior.
Tenho ficado mais doente do que antes com a crescente prevalência de óleo de procedência duvidosa sendo usado na culinária e na cozinha. Álcool falso é vendido até em grandes redes de supermercados. Não dá mais para comer ou beber qualquer coisa fora.
Os prédios que gostava de ver começaram a mostrar sinais de abandono e aqueles "brotos de bambu" brotando em volta de mim a um ritmo alucinante acabaram se transformando em estruturas ocas e apartamentos vazios, alguns deles quase desabando após três anos.
Devido aos conselhos de minha família e amigos chineses, comprei meu próprio apartamento para minha família, mas o elevador desabou duas vezes neste edifício novinho - tinha literalmente acabado de ser construído. Rachaduras maciças se formaram nos pisos e nas paredes.
A China também decidiu banir aleatoriamente as motocicletas. Todos os dias eu planejava uma rota calculada para evitar barricadas policiais, onde eles pegavam suas chaves e tomavam sua motocleta indiscriminadamente. Isso causou uma explosão insana no tráfego de carros e tornou frustrante dirigir para qualquer lugar.
Quando fiz um documentário no norte da China, focado em mostrar as aventuras positivas que a China tinha para oferecer, fomos revistados e detidos pela equipe da SWAT deles e pelo Exército Popular de Libertação, aparentemente porque eles não queriam que mostrássemos imagens de camelos.
Nós fomos assediados e intimidados em algumas cidades e nem pudemos nos hospedar em alguns hotéis. Percebemos rapidamente que a atmosfera em relação aos estrangeiros havia mudado pela primeira vez.
Eu fui abordado quase semanalmente por moradores que estavam lendo muitas notícias sobre como os problemas da China são agora culpa dos estrangeiros: "vocês estão roubando nossas mulheres chinesas", "vai para casa estrangeiro", "eu não gosto de americanos". Membros da família que antes gostavam de mim começaram a me culpar por decisões políticas no exterior que consideravam má influência ocidental. A minha fluência em chinês passou de um trunfo importante para uma triste constatação de que as opiniões das pessoas sobre o mundo exterior estavam azedando.
Os estrangeiros estão agora encurralados em um sistema de classe A, B ou C determinado por padrões arbitrários e que ditam o que podemos ou não fazer pelo crédito social. Está sendo implementado um sistema que monitora sua atividade, o que você faz ou diz sobre o governo e praticamente todas as suas ações.
Faixas elogiando a liderança atual assim como toneladas de insígnias comunistas começaram a aparecer em todos os cantos do país. Agora podem ser encontradas câmeras em todos os semáforos e esquinas.
Com todos esses novos regulamentos, o cerco apertando, o aumento da xenofobia - até o crescimento parece estar mudando - transformaram-se de um inconveniente tolerável para um pesadelo burocrático confuso.
Você vê que a China sempre prosperou quando grandes áreas da vida não eram controladas. O capitalismo cobrou seu preço de muitas maneiras, mas a vida estava melhorando e eu até me sentia mais livre do que no Ocidente em muitos aspectos (embora não no político ou na liberdade de expressão).
Agora as igrejas estão sendo desmanteladas. Milhões de minorias étnicas estão sendo colocadas em campos de concentração e informadas de que precisam ser reeducadas. Famílias sendo separadas e destruídas. Opiniões estrangeiras de entretenimento foram bloqueadas. e/ou esmagadas. Oprimem até sociedades livres como você vê em Hong Kong, com militarismo ostensivo, ameaças de prisão e muita propaganda governamental enganosa.
Os projetos governamentais como a iniciativa "Belt and Road" criaram uma população que não se atreve a falar e desiste da pouca liberdade de dizer o que queriam e que eles tinham no início.
A China se tornou efetivamente um estado policial distópico. As pessoas que eu conheci e que estavam ascendendo socialmente foram profundamente afetadas quando regime de partido único se apegou ao status quo quando o castelo de cartas começou a ruir com a desaceleração econômica e outras mudanças no mundo ao redor.
A abertura para o diálogo com outras pessoas de outros países foi efetivamente encerrada. Eles criaram um exército de trolls na Internet para exercer influência e tentar provar ao mundo que não apenas somos nós contra eles, mas que sistema deles é o melhor.
Também sinto um pouco de culpa porque nos últimos 10 anos eu mudei, e talvez agora tenha me tornado mais amargo. Mas quando olho para a minha experiência, as pessoas que eu conheci e amei, as coisas ao redor, o lugar em que comprei uma casa e fundei uma família e vendo que tudo ao redor está mudando para pior, tudo ao redor está sendo cercado e apertado, e a liberdade de expressão e idéias das pessoas que uma vez floresceram nos primeiros anos em que me mudei para a China agora têm sido esmagados, percebo que nos últimos 10 anos eu comecei a entender realmente como as coisas estão funcionando e não apenas como as coisas estão potencialmente indo.
Hoje a idéia de eu voltar para casa na minha pequena cidade natal é o que mais faz sentido e me faz sentir muito bem.
http://www.youtube.com/laowhy86
submitted by JairBolsogato to brasilivre [link] [comments]


2019.10.11 16:04 cansadao Estou sendo ameaçado de processo por uma ex-amiga/sócia informal

Abaixo vou citar alguns detalhes que podem parecer irrelevantes, mas talvez sejam úteis pra entender melhor o cenário
Senta que lá vem história: uma amiga minha tinha uma lojinha de revender uns produtos do Paraguai pra pagar as contas da faculdade, nós éramos bem íntimos e recebi a proposta dela de fazer a parte de marketing toda. A lojinha cresceu bastante e eu trabalhei mais ainda pra gente comprar um carro, já que o dela tava bloqueado na justiça por um processo que ela recebeu de uma professora. Depois abrimos uma lojinha de produtos pet pra podermos largar a lojinha de produtos do Paraguai e confeccionar nossos próprios produtos.
Deu tudo certo, as vendas dos produtos pet dispararam e começamos a ver de abrir um ponto físico informal aqui na cidade através do aluguel de uma casa residencial. Uns 2 meses antes de alugarmos a casa, eu ainda morava com um amigo meu e ele precisou trazer o pai dele pra morar com a gente um tempo, porque o pai dele sofria de depressão. Esse meu amigo pediu pra eu continuar morando com ele, porque ele disse que eu ajudaria muito a lidar com a situação. Topei, porque sei da dificuldade e também porque considero ele pra caralho. Eu e minha amiga enrolamos mais um tempo até achar algum lugar que pudéssemos alugar, e nesse período o pai do meu amigo se matou em casa.
No mesmo dia do acontecimento do suicídio, eu tinha que pegar um produto que havia ficado pronto numa fábrica aqui perto. Era só passar lá e pegar, pedi pra ela fazer isso porque eu tinha que ficar do lado do meu amigo naquela hora e também porque eu havia presenciado todo o acontecimento e não tava com cabeça pra essas coisas. Ela cismou que eu tinha que ir, brigou comigo, então cedi na hora do almoço e fui. No caminho de casa até a fabrica ela começou a me desrespeitar, falando que eu era um inútil, etc, etc, ela sempre foi meio babaca, mas não nesse nível psicopata.
Ok. Evento acima aconteceu, continuei fazendo as coisas porque precisava pagar minhas contas e o lucro que dava era considerável. Lembrando que tudo isso era informal, sem CNPJ nem nada. Até que apareceu uma casa no local ideal, no preço ideal e alugamos. Eu como locatário, o pai dela como fiador. Depois do evento citado anteriormente, ela se tornou outra pessoa, começou a me desrespeitar, a ser agressiva nas palavras, a me cobrar o tempo todo, eu trabalhava das 7h da manhã até umas 23h. Fiz site, desenvolvi produtos, gerenciei orçamentos, parte de marketing, relacionamento com clientes, fazia as fotos das propagandas, ia atrás de material, levava entrega nos correios (muitas vezes a pé porque ela não tava disposta a me levar, já que eu não tenho carteira), praticamente fiz tudo. Mas é claro que o desrespeito dela não parou e depois de quatro meses eu falei que ia sair.
Disse pra ela que eu não tava conseguindo lidar mais, que a gente tinha perdido o respeito um pelo outro e falei pra rompermos o contrato com a imobiliária que eu assumia a dívida. Ela virou o bicho, disse que eu não ia conseguir pagar porque não tinha onde cair morto (e não ia mesmo, mas eu dava um jeito, consigo trabalhar e ser rentável), e falou que ia continuar lá. Falei ok, que ajudava ela a pagar os aluguéis nos próximos 3 meses e nesse mesmo período ia continuar ajudando ela com as coisas que fazíamos.
Deixei tudo com ela, quando falo tudo é tudo mesmo. Única coisa que levei da casa foi minha mala de roupa. Deixei até o carro porque ela precisava dirigir pra fazer as coisas dela.
Agora o contrato da imobiliária encerrou no meio desse ano. A dívida: 9000 reais arredondando. E ela disse que a dívida é toda minha. Sendo que ela fica se gabando de estar ganhando 6000 reais por mês, tá com loja física na cidade e eu to patinando pra começar do 0. Ontem fui conversar com a imobiliária e recebi um ultimato pra ter até quinta-feira que vem pra resolver essa situação.
Eu não tenho condições nenhuma de pagar nesse momento da minha vida, talvez em fevereiro do ano que vem eu comece a ter, mas no momento to desempregado, desenvolvendo uma marca e um app pra tentar ganhar dinheiro a partir disso porque prefiro trabalhar com essas coisas. Ela tinha assumido a responsabilidade de continuar na casa já que não aceitou a minha proposta de romper o aluguel.
Agora ela pegou o carro que tava no meu nome e quis vender, passou o carro pra uma golpista da cidade vizinha, essa mulher repassou o carro pra um outro cara sem eu ter nem assinado nada, e esse outro cara vendeu o carro pra um outro. Minha amiga não recebeu nada. E eu tenho um carro no meu nome que tá nas mãos de gente que muito provavelmente lida com coisas que podem me ferrar, como por exemplo tráfico, roubo, sei lá o que mais. E ela tá desesperada com medo desse pessoal fazer algo de mal pra ela.
Hoje repassei a situação da imobiliária e disse que o carro vai ser usado pra pagar a dívida, porque é a única coisa no meu nome que restou, sendo que nem comigo esse carro tá e eu não faço ideia do que fazer pra recuperar sem ferrar com ela (porque não sei o que esse povo pode fazer). Depois que disse que o carro seria usado pra pagar a dívida, ela começou a me acusar de ser um mal na vida dela, que eu devo mais de 24 mil pra ela e que vai entrar com um processo pra cima de mim por danos morais. Segue abaixo uma breve conversa dessa manhã:
ELA: Criminalmente já vou te foder relaxa. Se o Fulano te matar será que a dívida acaba? 🤔
EU: Como assim? Não entendi
ELA: Arruma dinheiro pra por esse carro no nome do Cicrano. Se não eu que te mato. Ou melhor, coloca no nome de alguém de confiança seu que não quero que venham atrás de mim
EU: Eu não vou transferir esse carro pro nome de ninguém conhecido meu, não sou doido, já tô correndo risco de acordar qualquer dia com a polícia na minha porta, porque na verdade roubaram esse carro da gente, e sei lá que diabos tão fazendo com ele. Qualquer coisa que fizerem de errado, se abandonarem o carro o crime vai ser meu
ELA: De todo jeito vai ser seu o crime. Vc não quer transferir o carro que eu paguei, se quiser pagar pro Beltrano vim pra cá por no nome dele. Pega o que me deve e paga
Aqui ela fala sobre o "carro que ela pagou", mentira. Eu trabalhei e paguei isso pra ajudar ela, se não me engano ela deu 15% do valor do carro na época, tem no extrato do cartão de crédito e inclusive o dinheiro foi tirado da minha conta. Quando ela fala "pega do que me deve e paga" é a respeito de uma suposta dívida que ela disse que eu tenho com ela de uma somatória de x valor que ela tirou não sei de onde (mais abaixo ela cita sobre ser dívida do aluguel.)
EU: Não viaja nisso de que te devo alguma coisa, só quero resolver esse pepino desse carro que nem sei porque você repassou ele pra uma mulher x sem comprovação de venda de nada. E do jeito que você fala eu não consigo mais confiar em você também, já tô achando que tá tudo girando num complô gigante entre vocês, porque não faz sentido nenhum tudo isso que aconteceu
ELA: Eu não repassei nada seu idiota. Juridicamente vc alugou uma casa e não pagou o fiador. Já tá tudo certo com o advogado
EU: Eu propus romper o contrato e arcar com a dívida quando decidi sair. Você não quis e disse que ficava com a casa. Não vou entrar nessa questão mais
ELA: Eu tenho print de tudo. Comprova que vc ia ter 6 mil. Acho que o juiz vai te explicar melhor. Pq noção vc passou longe. 24 mil de aluguel + danos psicológicos pra mim e pro meu pai. Como vc nunca vai pagar, nem pro cível ele vai ir. Vai no criminal mesmo, ai vc paga em serviço comunitário. Quem sabe sua mãe prefere pagar os 3500 do que sua fiança. N quero mais conversa
Eu não faço ideia de onde ela tirou que ela quis dizer que eu ia ter 6 mil. Únicos 6 mil reais que eu me lembro é o valor da quebra do contrato com a imobiliária, que ela não topou na época. Os 3500 que ela cita eu não faço ideia de onde ela tirou. E não faz sentido eu pagar 24 mil de aluguel numa casa onde eu não morava mais. O que mais me assusta aqui é o pai dela, que é esquizofrênico grave e que realmente pode ter prejuízos psicológicos por causa das cobranças.
EU: Ok
ELA: Tenho tudo printado desde o "se não der certo tenho minha fazenda". Vc sabe que só fiquei lá pq sou realista e vc nunca ia ter dinheiro pra rescisão.
Essa parte do "minha fazenda" eu disse faz anos, brincando com ela quando a gente conversava numa boa, que se tudo desse errado eu pegava minha terra de MS e vendia pra pagar, porque a gente brinca que eu sou do mato e latifundiário. MAS EU DISSE AQUILO BRINCANDO num momento de descontração que existiu um dia entre a gente. Eu não tenho terra nem fazenda coisa nenhuma. Nunca tive, se tivesse eu tava lá.
Enfim, depois disso ela me bloqueou e eu não faço ideia do que ela tá tramando. Eu to cheio de problemas pessoais pra resolver, tenho 27 anos e ela 29. Não quero perder tempo com essas coisas, e não sei porque ela fica citando de mãe e pai, sendo que olha nossa idade, já dá pra resolver isso sozinho e meus pais não tem absolutamente nada a ver com isso, ao contrário dos pais dela que ela sempre misturou nos negócios. Muito provavelmente vou acabar pagando sozinho a imobiliária por conta, pra não dar o que falar pra ela, vou assinar a documentação do carro passando o veículo pro nome de quem tá com o carro (não ligo pra isso, só queria acertar o valor da imobiliária usando o carro porque por mais que eu tenha compro o carro 15% era dela, então nada melhor do que usar isso pra acertar a dívida). E caso ela abra algum processo contra mim, eu não tenha nenhuma outra pendência com ela.
Agora só tenho medo de estar sendo ingênuo, porque já fui antes por não ter feito nada assinado com ela, confiava muito nela e foi tudo na conversa. Só não queria perder dinheiro atoa. Alguém tem alguma dica do que fazer? Só quero relaxar sobre essa questão e ter certeza de que não vou precisar fazer nenhum serviço comunitário que tome tempo da minha vida justamente agora que to com vários projetos pessoais engatilhados pra dar início.

EDIT: formatação
submitted by cansadao to ConselhosLegais [link] [comments]


2019.07.18 17:59 schmook Hoje eu sofri uma tentativa de golpe muito engraçada.

Eu estava perto da Av. Ricardo Jafet em São Paulo, perto de onde eu moro, quando um carro encostou do meu lado. Era um carro popular, não prestei atenção qual marca nem modelo, mas tinha uma aparência de bastante usado já.
Dentro do carro tinha um cara de uns 50 anos, simpático e bem vestido. Ele me chamou e me perguntou, com um sotaque forte, se eu entendia o que ele falava. Respondi que sim, e daí ele falou que era italiano e era gerente da Emporio Armani. Eu achei estranho nesse momento porque o sotaque dele era claramente de quem falava espanhol e não italiano, mas prossegui.
Ele disse que tinha vindo para um evento da São Paulo Fashion Week, e que algumas roupas tinham sobrado. Daí no aeroporto a alfandega estaria cobrando mais de 1500 dólares de imposto para ele embarcar de volta para a Itália, e que para ele não compensava. Daí ele queria me vende as 5 peças pelo preço de 1.
Eu desconversei e fui embora, e ainda não entendi se a intenção dele era me repassar alguma mercadoria roubada ou falsificada, ou outra coisa.

Daí fiquei me perguntando:
E no fim o FDP ainda me chamou de gordo, porque ele disse que as roupas que ele tinha eram ótimas para mim porque eram tamanho extra grande!
submitted by schmook to brasil [link] [comments]


2019.05.12 16:26 chickenchicken2468 [DQ] Ao redor do candelabro

12/05/2019. Tema: vida e morte

Ao redor do candelabro
Era uma noite de tempestade, mas isso não era um grande problema para quem vivia num apartamento no centro de São Paulo. Os trovões se confundiam com o barulho dos carros, a chuva caía forte, mas o décimo terceiro andar estava acima de qualquer enchente no Túnel Rebouças.
Ou quase.
Depois de um forte clarão lá fora, as luzes do bairro inteiro apagaram.
— Espera um pouco, gente! Já sei!
Fernanda abriu um armário e tirou de lá um candelabro de ferro, todo entalhado, com cinco velas. Acendeu e iluminou a Fer, a Ju e a Lari.
— Fer, por que você tem um candelabro em casa?
— Foi coisa da Bruna! Ela comprou pra mim quando a gente estava pra voltar de Nairobi.
— Nairobi?
— É, no Quênia. Foi naquela viagem de safari no ano retrasado.
— As fotos ficaram lindas! Eu curti todas no seu Instagram!
— Então, daí quando a gente estava indo do hotel pro aeroporto, já na volta, aconteceu que o ônibus estava demorando muito. Daí a Bruna começou a falar com essa senhora que estava vendendo um monte de coisas. A mulher começou a contar da filha dela que tinha morrido de doença quando era bem criança. É até difícil contar. Quando era ela mesma contando, dava até arrepio. Ela falava da criança correndo na vila que ela morava, com aquele inglês com sotaque pesado, e a Bruna sempre lá perguntando. Eu só estava querendo ouvir a história e olhar as coisinhas que ela tinha para comprar. Daí eu perguntei para a moça de onde tinha vindo o candelabro. — Fernanda pegou seu copo d`água e tomou um gole — Ela disse que tinha sido um presente da mãe dela, e que ela tinha usado para iluminar o velório da filha.
— Ah. — Ju tomou um gole de vinho. — que história triste.
— A Bruna perguntou pra ela como que tinha sido, e aí ela foi contando que no velório na vila dela cada um que chega conta uma história da pessoa que morreu. E aí é como se a memória dela vivesse para sempre, entende? Para eles, a morte não é o fim de tudo, é só o fim de um ciclo, mas a pessoa continua tendo mudado o mundo em que ela viveu.
— Por que ela estava vendendo isso?
— Parece que ela estava vendendo o que tinha. Pobreza extrema é foda, né? Acho que ela estava precisando voltar para a vila. Eu comprei o candelabro, e a Bruna ainda deixou uns duzentos dólares a mais com ela.
— Nossa. E falando nisso, cadê Bruna?
— Deve estar vindo. Ela já chegou na hora alguma vez na sua vida?
— Verdade, Fer! Nossa, me lembrei quando eu fui com a Bruna para o Rio de Janeiro. O vôo era sete horas da manhã, a gente chegou em Congonhas às seis e quinze. A gente passou no terminal quando o portão já estava quase fechando, e aí todo mundo no avião olhou torto pra gente.
— Ainda bem que vocês entraram, as fotos ficaram muito boas!
— Eu nem tenho Instagram!
— Mas a Bruna tem! Vi vários stories de vocês no cristo, na praia e também naquele lugar que o povo aplaude o Sol se pondo…
— O arrpoadorr! — disse Ju, com uma entonação de quando uma paulistana tenta falar com os erres da zona Sul do Rio.
— Isso!
— Olha, o Rio foi muito legal, mas o povo é muito mais relaxado. Aqui em São Paulo, quando você vai num restaurante, se a comida demora a gente quase baixa um processo. Lá no Rio não. Você pede uma caipirinha e pode ficar olhando o mar porque vai demorar. Mas o pessoal se vira bem. Acho que a gente de São Paulo podia passar mais tempo só olhando as ondas do mar, se aqui tivesse mar. Sei lá, a gente podia passar mais tempo assim…
— … contemplando?
— Contemplando! É, foi muito legal. Várias vezes lá no Rio eu a Bruna ficamos só olhando as praias, as pessoas, ouvindo os sons, sabe? Foi muito bom.
— Mas no Rio não é perigoso ficar parado na rua?
— É um pouco. Mas as ruas continuam cheias, então acho que eles não pensam nisso o tempo todo. Tem que se prevenir um pouco. A Bruna até trocou o nome da mãe dela no telefone de "mãe" para "Dona Marta" só para evitar sequestro relâmpago. Isso é complicado. Lá no Rio eles fazem isso como se fosse normal!
— Como que isso evita sequestro?
— O sequestrador não consegue saber para quem ligar e pedir o resgate.
— Mas e se acontecer alguma coisa? Como vão achar para quem ligar?
— Ah, sei lá! Vira essa boca pra lá, Fer!
— Acho que a Bruna é carioca!
— Ela parecia carioca mesmo, naqueles bailes funk que a gente foi!
— Ou então ela é porque ela é de peixes!
— Ela parecia estar bem feliz por lá.
— Todo mundo já viajou com a Bruna, menos eu!
— Ah, Lari, não fica assim! Vocês vão viajar juntas um dia!
— Mas eu já fui com ela em um buteco que vocês não foram!
— Como assim?
— Foi depois do velório da minha mãe. Vocês duas estavam no intercâmbio, mas a Bruna estava aqui.
— No intercâmbio? Então isso já faz uns cinco, seis anos?
— Sim. A Bruna ficou me ouvindo falar da minha mãe. Estava um dia tão bonito, todo ensolarado! Tinha chovido muito na noite anterior, e o cemitério era um campo todo cheio de árvores e flores. Daí a Bruna me abraçou enquanto eu chorava. Ela foi uma fofa, porque eu chorei acho que por umas duas horas. Ela me disse que as pessoas boas, quando morrem, viram pó de estrela e se espalham pelo universo. E aí, depois do enterro, ela me levou pro buteco, só porque era lá perto. A gente nem bebeu nada, mas eles faziam um suco de melão muito bom. A Bruna conhecia o dono. Ele é um velhinho muito simpático, o Seu Mário. Aí ele fez pra gente uma costela especial.
— Por que a Bruna conhecia o dono?
— Ela me disse que a Dona Marta tinha levado ela naquele buteco logo depois do enterro do pai dela. E Dona Marta conversa com todo mundo… acho que foi daí que a Bruna puxou essa simpatia toda! A minha mãe, antes do Alzheimer, era muito falante também. Mas aí ela foi esquecendo das palavras, dos rostos, daí das pessoas. No finalzinho, ela se esqueceu de mim. Quando ela morreu foi muito triste, mas foi um alívio também. Agora ela virou pó de estrela, e ela deve ter virado um pedacinho de um monte de árvores e flores por aí.
— Isso tem cara de frase da Bruna.
— Foi mesmo. Ela é muito sensível, né? Na verdade, ela também disse que cada um de nós é um pouco flor e um pouco árvore, mas eu achei isso meio brega e não quis falar.
— Meio brega, mas você está enxugando as lágrimas de pensar nisso.
— Ah, vá. — Lari passou o dedo perto do olho, enxugando as lágrimas tentando sem sucesso não borrar a maquiagem.
— Ela deve ter aprendido isso tudo com a Dona Marta. Nem imagino como deve ser ter que consolar a filha porque o pai morreu de doença.
— É, eu conheço ela desde criança! Sorte minha! A gente falava que ia ter filho juntas! — disse Fernanda.
— Uma com a outra?
— Não, Julianny! Cada um o seu próprio filho!
— Falando em filho, Dona Fernanda, estou vendo você aí só na água enquanto todo mundo está no vinho. É por isso que você chamou a gente aqui?
Fernanda ficou vermelha. Ensaiou que ia dizer alguma coisa, mas não respondeu. Larissa se adiantou:
— Só assim prá gente se encontrar!
— Pára gente. Eu queria falar disso só quando a Bruna chegasse!
O telefone da Ju tocou.
— É a Bruna! — atendeu, sorrindo, mas foi ficando séria — Oi! Oi? Ah. Sim. Julianny, com ípsilon e dois enes. Sim, isso. Sim… onde? Sério? Como? Ah, bem, obrigada…
Julianny desligou e se sentou, com os olhos cheios de lágrimas.
— Gente, a Bruna morreu.
— Como assim?
— Era do hospital. Me ligaram porque era o número que estava na agenda de telefone dela. A gente tem que buscar a Dona Marta… Fer, você dirige?
— Vamos.
... .... .... .....
No dia seguinte, o céu estava azul e sem nuvem nenhuma. O corpo da Bruna foi enterrado debaixo de uma salva de aplausos. Aos poucos, todo mundo foi embora. A família da Bruna se abraçou e voltou prá casa. Os amigos mais distantes saíram, um por um. Ficaram ali as três, olhando.
— E agora, o que a gente faz? — disse Julianny.
Fernanda, entristecida, pensou na própria gravidez:
— Acho que guardei essa surpresa por muito tempo. A Bruna ia ter ficado feliz de saber.
Larissa abraçou as outras duas, que começaram a chorar. Ficaram ali por algum tempo. Não marcaram a hora, mas foi tanto tempo quanto precisavam. Quando o choro ficou mais calmo, Larissa pegou a mão das amigas e disse:
— Ela está se espalhando pelo universo. Daqui a um tempo, ela vai ter virado um pedacinho das árvores e das flores. Mas nós ainda não. Venham. Sei de um lugar aqui perto que tem um suco de melão delicioso. Eu conheço o dono!
FIM.
submitted by chickenchicken2468 to EscritoresBrasil [link] [comments]


2019.04.24 02:30 Spookycliquebr Twenty One Pilots para a NME [traduzido]

As filiais da B&Q em Birmingham devem estar fazendo um grande comércio de fita adesiva amarela. Fora do Resort World Arena da cidade, em 27 de fevereiro, os adolescentes estão aplicando-o avidamente ao uniforme verde do exército. À medida que mais tropas descem - com lenços de pescoço amarelos usados ​​como máscaras - é como um elenco para uma versão júnior de The Purge.
Os espectadores podem ser perdoados por presumir que uma demonstração Anônima vai acontecer, mas esta é a Skeleton Clique, superfanbase ferozmente dedicada de Twenty One Pilots, esperando do lado de fora do local seis horas antes do duo de Ohio estar no palco para dar o pontapé inicial no Reino Unido de sua gigantesca Bandito Tour.
Eles fizeram meticulosamente cosplay dos uniformes do vocalista Tyler Joseph e do baterista Josh Dun na arte e vídeos apocalípticos de seu último álbum, "Trench". Alguns se sentam esboçando fotos de seus ídolos. Um aperta um banner estampado com as palavras "VOCÊ SALVOU MINHA VIDA".
É apropriado, porque Twenty One Pilots - com seus principais temas de insegurança, saúde mental e fé - é uma banda perfeita para salvar a vida, uma referência para aqueles que acham que ninguém os entende.
No papel, no entanto, eles são desafiadoramente estranhos. Com "Trench", eles criaram um mundo mítico de alto conceito - que pode confundir até mesmo os roteiristas de Lost. Vagamente, sua trama diz respeito a uma cidade alegórica chamada Dema e os nove bispos ditatoriais que impedem seus habitantes de escapar - e a força rebelde de bandidos que buscam libertá-los. Mas há muito mais do que isso.
Longos sub-threads Reddit são dedicados a decodificar significados ocultos em músicas e decifrar pistas em cada peça de mídia que a banda lança. Há muitos ovos de páscoa: por exemplo, o nome completo de 'Nico' da música 'Nico e os Niners' - um grande inimigo - é Nicolas Bourbaki, que é o pseudônimo coletivo para os cientistas que inventaram a notação de zero - o ø usado na marca de twenty one pilots.
Musicalmente, eles são igualmente pouco convencionais: uma geração Spotify pós-gênero mistura de estilos que facilmente se exercitam através do rap, reggae, R&B, prog, electro-pop, indie - basicamente, eles voltaram a mão para tudo “Canto da garganta mongol”. No entanto, de alguma forma, é verdade que "Blurryface" - seu quarto álbum inovador - enviou o duo estratosférico em 2015, permitindo que o baterista Josh Dun fizesse seus backflips de marca regristrada nos maiores palcos do mundo.
Nos bastidores da arena, os assistentes [de palco] estão montando a elaborada e visualmente espetacular produção de Bandito, que envolve um carro em chamas, e dublê [de corpo] que permitem que um Tyler vestido de capuz desapareça e reapareça, como Houdini, no meio da música, em diferentes partes da arena.
Versões de brinquedos peludos do Ned - o personagem CGI gremlin que eles introduziram recentemente no vídeo "Chlorine" - sobre os alto-falantes. Quando nós primeiro pegamos um vislumbre de Josh - conhecido por suas acrobacias - ele está tocando bateria de ar e fazendo piruetas no ar para suas próprias músicas. Mais tarde, ele e Tyler brigam com os aspiradores de pó que estão sendo usados ​​para aspirar o palco.
Mas eles têm foco de laser. Na música de "Trench", "Bandito", Tyler canta: "Eu criei este mundo para poder sentir algum controle", e você acha que isso se estende a todos os aspectos da banda. Sua pequena equipe de proteção vem de sua cidade natal, Columbus, e tudo o que a NME faz com a banda acontece sob o olhar atento de seu círculo íntimo.
Durante nosso bate-papo de 70 minutos, o gerente da turnê está parado na porta do camarim, aumentando a sensação de que você pode ser transportado para um bunker, emergindo meses depois, reprogramado e enrolado em uma fita adesiva amarela.
Felizmente, a banda é charmosa e solícita. O principal compositor, Tyler, vacila de ser intenso a imbecil ("Nós passamos tanto tempo juntos, eu sinto que sei tudo sobre John", ele brinca com Josh).
Quando ele está dizendo algo revelador, evita o contato visual. Josh é seu lastro lúdico, tendendo a sentar em silêncio e participar apenas quando há uma piada. Nem xinga - nem sequer uma vez. Tendo vindo direto de uma sessão de autógrafos do HMV, Tyler está preocupado com sua voz. "Eu tentei não falar com nenhum deles, mas não posso evitar", diz ele. "Eu fico tipo: 'Muito obrigado por ter vindo, de onde você veio?'"
Eles parecem ser tocados pelos extremos aos quais seus apoiadores foram. Do lado de fora, os fãs até se agitaram vestidas como "bispos" em roupas vermelhas enquanto na Rússia, roupas de banana apareceram na multidão - uma piada sobre como Tyler e Josh, ambos com 30 anos, têm aversão à fruta.
"Nós fornecemos apenas alguns pedaços da inspiração, mas eles são os únicos que se tornaram o motor da coisa toda", diz Tyler. Além de Tyler uma vez "ficar na fila por oito horas, quando The Killers tocou minha cidade natal", nenhum deles foi a extremos extraordinários para seus grupos favoritos. “Nós desejamos que o nível de cultura dos fãs estivesse por perto quando éramos mais jovens”, observa Josh. "Porque muitas dessas histórias sobre como essas pessoas se conheceram e como elas se tornaram melhores amigas quando estão esperando na fila por horas e dias são inspiradoras e legais."
"Blurryface" tornou-se o primeiro disco da história a ter cada uma das músicas certificadas pelo menos em ouro. Quando eles colecionaram o Grammy em 2017 para Melhor Performance de Pop Duo / Grupo para o single "Stressed Out" (batendo Rhianna e Drake, e Sean Paul - um homem que os descreveu como "o novo Nirvana"), eles tiraram seus boxers em o caminho para o palco, lembrando-se de como uma vez eles assistiram ao show de premiação em suas calças em Columbus e disseram: 'Se algum dia ganharmos um Grammy, deveríamos recebê-lo assim'.
É indicativo de sua ambição. Tendo formado Twenty One Pilots como um trio na universidade em 2009, Tyler recrutou Josh e perdeu dois membros em 2011. “Desde o início, tínhamos grandes visões e sonhos de onde queríamos estar, então nada nos pegou de surpresa”, diz Josh , imperturbável. "O que seria mais surpreendente para as pessoas é quantas vezes nos olhamos e dissemos: 'Sim, é exatamente isso que imaginamos e o que vimos'.
Durante o ciclo "Blurryface", eles se lembram de vender pequenos clubes, teatros e arenas no mesmo ano. "Quando você diminui o zoom, você pode pensar: 'Ah, isso foi muito louco'", diz Josh. "Mas nós estávamos em turnê desde 2011 tocando em shows todas as noites, então você está perto demais para perceber isso. É como quando seu tio, que não o viu por um ano, chega e diz: "Você ficou muito alto".
As coisas mudaram, no entanto. Questionado sobre quem é o contato mais famoso em seu telefone, Tyler passa pela sua lista de contatos antes de parar em Chris Martin ("Isso é incrível de dizer em voz alta", ele ri) - o vocalista do Coldplay certa vez deixou uma mensagem de voz sobre a banda. Josh responde: Eu cresci ouvindo uma tonelada de Blink [182], então pensar que nos últimos anos eu me tornei amigo de Mark [Hoppus], é surreal. Quando eu era adolescente, eu nunca teria imaginado que iria trocar mensagens com ele.
Em outubro, quando lançaram 'Trench' - após um apagão de um ano sem envolvimento de mídias sociais ou shows, e uma trilha secreta para os fãs seguirem levando ao seu anúncio - ele só foi derrotado nas paradas por Lady Gaga e Bradley Cooper, com ‘Nasce Uma Estrela'.
Você pode argumentar que é igualmente cinematográfico: as pessoas sugeriram a Tyler que eles deveriam expandir suas promessas distópicas em um longa-metragem. "A intenção nunca foi, 'vamos escrever um disco que tenha força suficiente para se transformar em uma série da Netflix', mas é legal saber que criamos algo com substância suficiente para sabermos que essa pergunta está sendo feita", ele nega.
Além disso, embora camuflada na fantasia, e a mitologia Dema, com suas referências a religiões antigas como o zoroastrismo, "Trench" é, na verdade, uma dissertação sobre saúde mental do final de vinte anos. Nas composições, como nas conversas, Tyler diz suas coisas mais interessantes quando ele não olha nos seus olhos.
Tendo a narrativa preparada “durante anos”, ele tentou introduzi-la em “Blurryface”, cujo personagem principal é uma personificação de sua ansiedade e insegurança. Durante esse tempo, ele até se apresentou com as mãos e o pescoço revestidos de tinta preta - para representar o aperto tóxico de sua ansiedade. A maneira como ele descreve "Trench" é semelhante a um mapa psicanalítico do Google.
"É sobre usar a arte de contar histórias para entender melhor um problema muito menos fantástico que está navegando em sua própria psique e dando a ela um destino e lugares que você deve e não deve ir e os personagens que deve evitar. E isso pode ser encontrado dentro da luta de cada pessoa ”, diz Tyler.
"É interessante que 'Blurryface' - onde criei um personagem que representa tudo o que eu não gostei de mim mesmo e tudo o que estou tentando superar coincidentemente foi o álbum que realmente aconteceu para nós", continua ele. “O fato de sermos forçados a revisitá-lo todas as noites é uma lição valiosa em suas próprias inseguranças pessoais: você trabalha com isso, tenta superá-lo, mas nunca é algo que você pode simplesmente deixar de lado e se separar”.
Um trio de músicas em "Trench", Tyler se vê totalmente demitido e existe "fora da mitologia da série Netflix", como ele diz. 'Smithereens' é uma canção de amor bonitinha, dirigida por ukulele para sua esposa, Jenna Black, com quem ele se casou em 2015. 'Legend', entretanto, é uma homenagem ao seu avô, Bobby, que apareceu na capa do álbum de 2013 'Vessel 'ao lado do avô de Josh. Ele começou a escrever a faixa quando a demência de Bobby começou, mas seu avô faleceu em Março do ano passado, antes que pudesse ouvi-la.
Tyler: “Eu menciono nas letras: 'Eu gostaria que ela tivesse te conhecido.’ E eu estou falando da minha esposa, porque quando ela começou a aparecer, ele ficou pior. Ele costumava ser tão espirituoso e iluminava um quarto e mudava a dinâmica social de qualquer situação, e há centenas e centenas de histórias clássicas, mas quando ela chegou, ele estava indo depressa. Ele era imprevisível, não lembrava os nomes das pessoas, o que era um novo tipo de dor.”
Seus olhos parecem lacrimejar. “Meu pai me contou um momento no final - onde ele se lembrava do meu nome - e perguntou: 'O que o Tyler está fazendo?'. Ele sempre perguntava e meu pai tentava explicar: "Ele está em uma banda, toca música". E ele disse: "Bem, eu quero ouvir uma música".
E isso foi antes de eu escrever qualquer coisa para "Trench". Meu pai está dirigindo o carro e ele continua insistindo: "Bem, eu quero ouvir uma música!". E meu pai não tinha nenhuma música no carro. Por puro desespero, ele liga o rádio e agita o dial algumas vezes e uma de nossas músicas está ligada e ele pode dizer: "Lá - aí está ele e esta é a sua música".
“E assim, de uma maneira estranha, você pode pensar em todo o sucesso e reconhecimento que tivemos, foi apenas para preencher uma pequena história onde meu pai foi capaz de mostrar ao meu avô a música que eu escrevi naquele momento no rádio."
Em ‘Neon Gravestones’, tipo Post Malone, Tyler corre contra a alegoria de alguém tirando a própria vida de alguma forma "glamourosa" em vez de uma tragédia, cantando: "Na minha opinião, / Nossa cultura pode tratar uma derrota / Como se fosse uma vitória”, E a fetichização irresponsável do Clube 27 (“ Eu poderia desistir e aumentar minha reputação / eu poderia sair com um estrondo / Eles saberiam o meu nome”).
"Eu estava com medo dessa música", diz Tyler. “Então, essa música é muito preta e branca. Eu trabalhei duro em cada pronome. Porque eu sabia que era um assunto delicado, a última coisa que eu precisava era que alguém entendesse mal o que eu estava tentando dizer. Eu estava com medo de não me esconder atrás da metáfora. Eu entendo que há riscos em ser mal interpretado ou deturpado. Há uma chance absoluta de ofender as pessoas ou parecer desonra, mas eu realmente queria focar nas pessoas que estão aqui para ouvir. Eu queria apontar algo que gostaria de ouvir quando estiver passando por esses pensamentos.”
Tyler aplaude a nova geração de artistas falando abertamente sobre sua saúde mental e desabilitando o estigma. "Eu acho que nossa cultura, quando se trata de suicídio e depressão, deu um grande salto", diz ele. “Estou tão orgulhoso de que a música tenha liderado a capacidade de falar sobre isso tão abertamente, e falar sobre isso é muito importante. Então, de certa forma, eu realmente sinto que há um grande lado disso que tem sido coberto com "vamos falar sobre isso, tipo, você não é louco, não há nada de errado em apenas olhar quantas pessoas passam por isso".
"Trench" culmina com a abrangente "Leave The City", que Tyler descreveu como uma "crise de fé". Tanto ele como Josh foram criados em lares religiosos. O pai de Tyler era o diretor da escola cristã que ele freqüentava; quando Josh era mais jovem, a maioria da música secular foi banida, deixando-o para esconder contrabando de álbuns do Green Day debaixo da cama.
"Um dos equívocos é por causa de onde estamos e do que conquistamos - e porque as pessoas acham que temos um estilo de vida de rock louco - que aprendemos que não precisamos mais de Deus", explica Tyler. "E não é isso."
“Eu sou o tipo de pessoa que precisa desafiar tudo e minha fé é algo que eu sempre passei por temporadas fortemente desafiadoras e uma vez que eu coloquei em teste e vi o que é, eu sou capaz de aceitar isto. Durante 'Trench', houve momentos específicos em que você conseguiu ver onde eu estava em minhas temporadas de desafio e re-aceitação - e eu definitivamente estava passando por um momento desafiador. ”
“A questão é: preciso de Deus? A verdade é que não tenho resposta para isso alguns dias. Alguns dias eu tenho, e porque eu escrevo músicas, eu escrevo letras - você vai me ver entender. Não posso deixar de abordar esses tipos de perguntas porque é por isso que comecei a escrever músicas em primeiro lugar. ”
Essas grandes questões estão à espreita sob o capô de um carro muito brilhante. A razão pela qual twenty one pilots provaram ser tão bem sucedidos comercialmente é porque as próprias canções transbordam de ganchos. Você não precisa saber que "Leave The City" envolve uma crise existencial - ou exige um guia turístico para Dema - para aproveitar o fato de soar como M83 produzindo My Chemical Romance em sua pompa da Black Parade.
O que não pode ser exagerado é o quão divertido é o espetáculo ao vivo de Twenty One Pilots. Hoje à noite, eles se abrem com Josh segurando uma tocha acesa, incendiando um carro, e assistindo a fusileantes de shows de mágica de Vegas, kits de bateria de multidões, homens vestidos de Hazmat borrifando névoa na platéia, confetes e uma competição para encontrar o melhor pai dançarino.
Não é surpresa que Tyler diga que ele é competitivo: como alguém que já foi oferecido uma bolsa de basquete, pode ser. Coloque-o com outra banda e é como hamsters compartilhando uma jaula.
Quando eles assinaram com o emo-citadel Fueled by Ramen - lar dos amigos Paramore e Panic! At The Disco - Pete Wentz do Fall Out Boy levou-os sob sua asa para martelar isso fora deles. "Ele nos mostrou como ser bons irmãos", diz Tyler. "Quando começamos a tocar localmente, você estaria na lista com outras nove bandas. Você queria que eles explodissem, então você viria e roubaria o show. Quando saímos em turnê como o ato de abertura do Panic! e Fall Out Boy, nós tínhamos a mesma mentalidade, mas Pete disse: "Veja todas aquelas pessoas lá fora - vá e faça fãs".
"E eu nunca percebi...", diz ele com total sinceridade e sem nenhum traço de hipérbole em sua voz - "as pessoas poderiam ser fãs de mais de uma banda. Mas estaríamos mentindo se disséssemos que a vantagem competitiva desapareceu completamente. Queremos ser os melhores - e manter todos os outros afastados”.
Enquanto "Trench" foi escrito principalmente por Tyler em seu estúdio no porão em Columbus e enviado para Josh (que agora vive em Los Angeles), seu acompanhamento está sendo escrito na estrada. Ele irá aprofundar ainda mais no folclore de twenty one pilots. "Há um personagem sobre o qual não se fala que desempenha um grande papel e é provável que este seja o próximo passo", diz Tyler.
Josh, por sua vez, tem um casamento para se preparar, tendo se comprometido com a ex-aluna do Disney Channel, Debby Ryan, em Dezembro. Ele brinca que entrará na igreja com solos de bateria. Mas o que há em ambas as mentes é o final da turnê no Reino Unido - estrelando no Reading e Leeds em Agosto.
“Reading & Leeds é um dos primeiros festivais que assistíamos quando nos conhecíamos”, diz Tyler. “Nós assistíamos a vídeos na internet. Nos concentramos nesse programa há meses, no que a produção vai ser.”
Tyler olha para os sapatos, frustrado consigo mesmo. "Não consigo expressar exatamente como isso é importante, mas estamos muito animados em poder provar que esse é o lugar onde pertencemos. Nem todo mundo está lá na platéia para ver você e você tem que conquistá-los, você tem que trabalhar duro para eles. Há outras bandas tentando se destacar e estamos prontos para tirar a cabeça deles.”
Resistência - liderada por bandidos ou não - é fútil.
submitted by Spookycliquebr to u/Spookycliquebr [link] [comments]


2018.06.24 14:37 StratcomOPS Criar um Stand de Carros, o quê que realmente se passa?

Sempre gostei de carros e gostava de ter o meu stand para vender carros usados de gama média.
Já à uns tempos para cá, que tenho tentado analisar como é que os outros stands fazem negócios e têm sucesso.
É precisamente isto que me está a criar confusão. Ter sucesso.
Para vos dar um exemplo recente, não sei se algum de vocês seguiu a casa dos segredos 5, mas havia lá um tipo chamado Daniel Gregório, que criou o seu próprio stand de venda de carros e postou uns vídeos no instagram.
Assim do "nada", logo a começar o stand, ele tinha 2 Porches GT2, Peugeot 508, Renault Megane, Audis, Smarts, Mercedes, etc.
Eu muito sinceramente nunca percebi isto, eu não o conheço além desse programa (que ele não ganhou), mas tenho a certeza que ele não tinha dinheiro nem de perto nem de longe para comprar esses carros todos, o que me trás à pergunta: Como é possível arranjar esses carros todos para vender?
Não tenho conhecimentos praticamente nenhuns com pessoal do ramo, mas em "conversas de café", já ouvi quem diga que a grande maioria dos carros que estão nesses stands, não são do dono do stand, mas sim de particulares.
Custa-me acreditar nisto, mas realmente é a opção mais lógica.
Agora em termos legais, eu se for a um stand, compro um carro que não é do stand? Como é que isto funciona a nível de impostos, a nível de garantias, a nível de empréstimos... sinceramente, eu não percebo, mas gostava de perceber.
Será que alguém aqui tem conhecimento dos procedimentos que esses stands fazem para terem sucesso (legalmente)?
Eu queria abrir o meu próprio stand, mas se os outros tiverem vantagens sobre mim que eu não conheço, estou destinado a falhar.
submitted by StratcomOPS to portugal [link] [comments]